Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 29/FEV/1980
Marcia Brito & Marcio Ehrlich

 

Janela Publicitária
Esta edição da Janela Publicitária foi publicada originalmente no jornal Tribuna da Imprensa.
O seu conteúdo foi escaneado e transcrito para ficar à disposição de consultas pela internet.


Dicas para o anuário.

A Janela Publicitária, que tem incentivado a criação publicitária brasileira através desta TRIBUNA DA IMPRENSA, dá agora todas as dicas, para as agências produtoras, jornais, revistas, anunciantes etc., participarem do 5º Anuário do Clube de Criação de São Paulo. Não deixem de participar! O Anuário do Clube de Criação de São Paulo, por incrível que pareça é a única publicação do gênero editada no Brasil.
Regulamento do 5º Anuário do Clube de Criação de São Paulo.
Inscrição
1 - o prazo de inscrição vai até o dia 20 de março de 80, sem nenhuma espécie de prorrogação. Todo material deverá ser enviado à secretaria do CCSP: Av. Faria. Lima, 1348, 2º andar, conjunto 21.
2 - Cada peça deverá ser inscrita em cada uma das categorias a que for concorrer. Por exemplo, se você inscreve uma peça nas categorias Imprensa & Outdoor, Editorial ou Merchandising, e caso deseje concorrer também nas categorias Fotografia ou Ilustração, deverá enviar o material adequado e preencher as fichas corretas para cada uma das categorias. Isso quer dizer que nenhuma peça, em nenhuma hipótese, será julgada fora da categoria a que for inscrita.
3 - O preenchimento correto das fichas de inscrição, a respeito de créditos, legitimidade e ortografia dos nomes, é de inteira responsabilidade de quem inscreve as peças. O CCSP não se responsabiliza por possíveis erros ou omissões.
4 – Para cada peça inscrita será cobrada uma taxa de R$ 300,00 por categoria, que deverá ser paga no ato da inscrição. A mesma peça, inscrita em duas categorias, pagará duas taxas de inscrição.
5 – Para cobrir as despesas de fotolito, impressão e acabamento do anuário, cada peça consagrada deverá pagar o seguinte: categorias Imprensa & Outdoor, Televisão, Rádio, Editorial e Merchandising ... CR$ 2.000,00. Fotografia e Ilustração, CR$ 1.000,00.
6 – Para ser recebidas e julgadas, as peças deverão seguir as seguintes normas técnicas:
a) - Imprensa & Outdoor e Editorial
Montar a peça em cartão duplex de 66 x 96cm com filete determinando o tamanho original da mesma peça, identificado na moldura com o nome da agência, do profissional ou jornal responsável.
b) - Televisão:
Redução 16 mm, com todos os filmes emendados no mesmo carretel. Cada filme deverá ser acompanhado de uma sinopse bem clara e sucinta, do texto correto e das fichas de inscrição numeradas de acordo com a ordem de montagem do rolo.
c) - Rádio:
Fita em velocidade 7 1/2, com todas as peças emendadas num só carretel, sendo um para jingles e outro para spots. Cada peça deverá ser acompanhada de uma sinopse bem clara e sucinta, do texto correto e das fichas de inscrição numeradas de acordo com a ordem de montagem.
d) - Ilustração:
Montar a peça em cartão duplex de 66 x 96 cm com filete determinando o tamanho original da mesma, acompanhada de um slide identificado na moldura.
e) - Fotografia:
Montar a peça em cartão duplex de 66 x 96cm com filete determinando o tamanho original da mesma, acompanhada de um slide identificado na moldura.
f) - Merchandising:
Em caso de materiais impressos como poster, malas diretas, volantes, montar a peça em cartão duplex de 66 x 96cm com filete determinando o tamanho original da mesma, acompanhados de um slide identificado na moldura; no caso de embalagens ou brindes, um modelo da peça acompanhado de um slide identificado na moldura.
Observações: No caso das peças inscritas nas categorias: Imprensa, Outdoor, Editorial, Ilustração, Fotografia e Merchandising, não esquecer de colar a ficha de inscrição atrás do cartão duplex. O slide deve vir acondicionado num envelope também colado atrás do mesmo cartão.
Importante: As peças inscritas devem vir em bom estado para que permitam a sua reprodução mais tarde no Anuário.
Júri
1 - O júri será constituído de 48 profissionais especificamente da área de criação, que formarão grupos para julgar cada uma das categoria de inscrição das peças.
2 - A eleição do júri será aberta a todos os sócios do CCSP, que recebem a ficha de votação juntamente com este regulamento.
3 - Cada sócio terá direito a votar em 18 nomes para a formação do júri, sendo: 5 redatores, 5 diretores de arte, 2 diretores de cinema, 2 criadores/produtores de som, 2 fotógrafos e 2 ilustradores.
4 - A diretoria do CCSP fará computação dos votos, a convocação dos eleitos e a divisão em grupos, a saber:
a) - Imprensa & Outdoor: 10 jurados;
b) - Televisão: 10 jurados;
c) - Rádio; 6 jurados;
d) - Editorial: 5 jurados;
e) - Merchandising: 5 jurados;
f) - Ilustração: 5 jurados;
g) - Fotografia: 5 jurados.
5 - Como sempre, os júris não terão limites mínimos ou máximos de estrelas, de ouro, prata ou bronze a ser outorgados, e nem de menções (inscrição de peças no anuário).
6 - Os locais e atas dos trabalhos do júri, bem como suas decisões, serão divulgados posteriormente pela imprensa especializada.
Julgamento
1 - Serão julgados os trabalhos que tenham sido veiculados entre 1º de janeiro de 1979 e 1º de março de 1980.
2 - As peças serão inscritas dentro das seguintes categorias:
a) - Imprensa: jornais, revistas e outdoor (anúncios e encartes);
b) - Televisão e Cinema.
c) - Rádio: jingles e spots.
d) - Editorial: revistas, Jornais, houseorgans, Jornais classe, livros;
e) - Merchandising: embalagens, folhetos, volantes, material de ponto de venda, broadsides, marcas, logotipos, posters, cartões de natal, calendários, brindes, papelaria, capa de discos.
f) - Fotografia & Ilustração; editorial ou propaganda.
3 - As peças poderão ser inscritas por agências de propaganda, produtoras de filmes, produtoras de som, estúdios de arte, clientes, profissionais de criação autônomos (free-Iancers) , jornais e revistas. A única condição exigida é a de quem faça a inscrição exerça suas atividades em território nacional.
4 - A seleção de peças será feita unicamente pelo júri, prevalecendo o critério deste quanto ao melhor nível de qualidade e criatividade.
5 - Não custa repetir: cada peça deverá ser inscrita em cada uma das categorias a que for concorrer. Cada peça será julgada única e exclusivamente na categoria que constar da ficha de inscrição. As peças não serão devolvidas após o julgamento.

Os finalistas de Hollywood

Sete filmes publicitários brasileiros foram selecionados para figurar entre os167 finalistas do 20th International Broadcasting Awards, de Hollywood.
O Brasil concorreu com outros 50 países, e conseguiu chegar em 6° lugar em quantidade de filmes finalistas, abaixo dos Estados Unidos com 100 comerciais, o Japão com 27, Inglaterra com 15, e Canada e França com 8 cada, ficando acima da Austrália e Holanda, que tiveram apenas um filme cada.
Estes filmes passaram por 27 julgamentos nos maiores centros publicitários de todo o mundo, e na próxima semana serão submetidos ao júri final, em Hollywood, que escolherá os melhores em várias categorias de TV e Cinema.
As agências que tiveram o maior núimero de classificações foram a americana Young & Rubicam e a japonesa Dentsu Inc., cada uma com 10 finalistas. Abaixo delas vieram a Ogilvy & Mather com 8 filmes, e a Hakuhodo do Japão, D'Arcy-MacManus & Masius, Needham Harper & Steers e a J. Walter Thompson com 5 filmes cada. Curiosamente, um dos filmes da Thompson foi produzido no Brasil. Trata-se do "Japão-Sinfonia" - criado para a National do Brasil Ltda., para seu produto Technics. A ficha técnica do "Japão-Sinfonia" é a seguinte:
Agência - Thompson - SP. Criação - Roberto Ricardo Coimbra, Redação - Ivan Peter Stoy. Direção de Arte - Almir Bortolassi. Diretor Nacional de Criação - Klaus Isnenghi, Produtora - Última Filmes.
A festa de entrega dos prêmios será realizada no próximo dia 10 de março, no Century PIaza Hotel.

Consumidor compra conforme a música.

Será hoje, às 19 horas no Hotel Rio Palace a esperada apresentação pela Thompson do seu diretor de Música, Allan Ross, que abrirá o ciclo de palestras JWT.
Desde seu ingresso na agência, Allan Ross já forneceu músicas para 11 escritórios, 22 contas e 44 produtos, entre eles os das Ford, Kodak, Lever, Warner Lambert, Quaker Cats Burger King, I Love New York. Além disso, Allan já musicou 4 longas, alguns documentários e foi arranjador de cantores como Linda Ronstadt, The Carpenters, Harry Belafonte, Eydie Gormé e muitos outros recordistas musicais e garante que música vende: "O problema é como moldar a percepção do consumidor em relação a um produto ou serviço se valendo dela".
Na palestra de hoje, além de mostrar VTs de vários países ligando músicas com imagens, Allan vai fazer a apresentação de uma campanha fictícia, criada especialmente para este acontecimento. E, nesta campanha, o objetivo é "vender o Brasil para americano". Ou seja, Allan vai dissecar as várias atrações brasileiras como a praia, o carnaval, o samba, a mulata, (o topless também já estaria incluído?) o futebol etc., e compor um contexto audío-visual próprio para cada segmento do mercado (sensível a qualquer um daqueles envolvimentos).

Fichário dos anunciantes cariocas – 27
CASTROL
Castrol do Brasil S.A. Ind. e Com.
AV. Itaóca., 2.400
CEP 21061 - Rio - RJ
Tel.: 280-7422
Presidente: Neville Ernest Farebrother
Diretor Geral: Geraldo Machado Costa
Gerente de Marketing: John Doneann Seymour
Gerente de Planejamento de Mercado: Ricardo Alan Castorri
Gerentes de Produtos:
Área automotiva: Alfredo Zurli Neto
Área Industrial: Hugo Machado
Coordenador de Propaganda: Rosauro de Andrade Zambrano
A Castrol produz no Brasil em três segmentos:
- Automotivo: óleos de motor (GTX, HD e Tropical crb e crd).
óleos de engrenagens (para caixa de marchas, diferenciais, etc.) e fluidos de freios.
- Marine-Oils: produtos para uso marítimo.
- Industrial: graxas, compostos betuminosos, lubrificantes, fluidos de cortes, produtos para processos, protetivos (anticorrosivos) e especialidades.
A empresa tem filiais em 17 cidades do país, tendo 10% de participação do mercado total (revendedores e consumidores físicos e jurídicos), o que a coloca como a 5ª empresa do setor.
Um levantamento da Janela Publicitária /TRIBUNA DA IMPRENSA.

Brainstorming • Brainstorming • Brainstorming

As agências que ganharam a concorrência do Incra já estão a pleno vapor na criação de suas campanhas. A Denison, por exemplo, ficou com a campanha do Imposto Territorial, considerada, por muitos o filet mignon do lncra.
• • •
Roberto Corrêa, que ultimamente estava na Seagram, voltou à McCann de São Paulo, de onde havia saído há alguns anos para atuar na McCann Rio.
• • •
A agência mineira Setembro (que acaba de receber o tricampeonato de Agência do Ano no Colunistas daquela região) deverá entrar brevemente com uma proposta no sindicato de agências de Minas que talvez tenha repercussão até dos outros mercados.
Preocupada com o destino que possa ser dado às propostas perdedoras da concorrências com campanhas especulativas (que nem sempre estão livres de terem suas ideias aproveitadas pelo anunciante junto com a agência vencedora), a Setembro sugerirá que todas as agências mineiras ligadas ao Sindicato firmem um protocolo concordando em participar apenas de concorrências em que o anunciante se comprometa a remunerar ­ com um valor previamente estipulado pelo Sindicato - todas as agências perdedoras por conta de todas as pesquisas e informações que foram entregues.
Esta atitude também tem por finalidade acabar com aquele conhecido tipo de concorrência em que a agência vencedora já está previamente escolhida, mas outras são convidadas a apresentar trabalhos apenas para dar uma ideia de credibilidade à escolha.
• • •
Mais 12 cartazes foram selecionados pelo Concurso Nacional de Outdoors, promovido pela Central de Outdoor. Cinco cartazes vieram da Bahia, e os outros sete de São Paulo. Foram os seguintes os trabalhos destacados:
- Rainha (Lage Stabel e Guerreiro), Lycra (Lage Stabel e Guerreiro), Amaretto (Almap), Danone (Almap), Rosso e Nero (Proeme), Caravan (McCann Erickson), Hollywood (DPZ), Barra Center (GFM Propeg), Clube Costa Verde, Shopping Iguatemi e dois do Lojão da Construção (DM-9).
• • •
Dentro de dois meses termina o prazo da obrigatoriedade de Ênio Mainardi não trabalhar em propaganda, como parte do contrato de venda de suas ações na Proeme para a agência americana Campbell-Edwald. Com o fim do prazo, Ênio receberá a última parte do contrato: nada menos que 250 mil dólares.
Quem conhece a atração que Ênio Mainardi tem pelas agitações e badalações da propaganda, não pode duvidar que, logo esteja livre do contrato, Ênio volte correndo à sua atividade publicitária onde, convenhamos, tem feito falta.
• • •
É ridícula e discriminatória a nova legislação de trânsito, quando trata da proibição do uso de plásticos e adesivos de caráter publicitário nos vidros traseiros de automóveis.
Antes de tudo é inútil, já que não visa aumentar a segurança do trânsito. Afinal, nada impede que o vidro seja todo coberto com mensagens não publicitárias.
Além disto, o que é pior, colocará nas mãos dos guardas de trânsito a avaliação de ser o adesivo ou não de caráter publicitário (o que pode ser
absolutamente indefinível).
Nestas alturas, já dá para se imaginar o que, realmente, se terá que colocar nas mãos dos guardas...
• • •
Dia 4, terça-feira, os sócios do Clube de Criação do Rio de Janeiro devem comparecer àa sede do Clube de 10 da manhã às 10 da noite para votar na agência que mais tenha feito pelo setor de criação no ano de 1979. Vai ser uma parada dura dar este Múltiplo de Criação para qualquer agência carioca.
• • •
Bonecas, o filme criado pela Lintas e produzido pela Jodaf para a Promatre acaba. de ganhar o 1º Prêmio do Festival de Tóquio, no Japão.
• • •
Do julgamento regional de Minas do Prêmio Colunistas, que contou com a presença de Marcio Ehrlich (presidente), José Cláudio Maluf e Edison Zenóbio no júri, divulgamos os seguintes resultados: Agência do Ano: Setembro - Publicitário do Ano: Afonso Barroso - Fato do Ano: Lançamento do Jornal de Shopping ­ Destaques do Ano: Criação do Sindicato das Agências de Propaganda de Minas Gerais e o trabalho da Quilombo de apoio aos professores de Minas e ao jornal "Em Tempo".
• • •
E por falar em Prêmio Colunistas, o júri deste ano, composto por Armando Ferrentini, José Claudio Maluf, Madia, Fernando Vasconcellos, Eloy Simões, Silvia Dias, Jomar Pereira da Silva, José Roberto Penteado, José Roberto Berni, Edison Zenóbio, Roberto Simões e Marcio Ehrlich estão, no momento, concentradíssimos analisando detalhadamente as peças inscritas. Este ano concorrerão também as peças em VT. No momento de tantas aberturas, é bom ver que o Prêmio Colunistas também se abre às novas tendências.
• • •
A indústria cinematográfica carioca conquistou uma nova isenção de impostos. A recente Lei Municipal nº 136 de 29-11-1979 (publicada no "Diário Oficial" do Estado do Rio de Janeiro em 30-11-79), isentou as produtoras de filmes para televisão e cinema dos impostos Territorial e Predial por caráter definitivo. A isenção já existia, mas concedida pelo prazo de 10 anos, que se esgotaria em 24-11-1982.
• • •
Corre solta, em Brasília, a concorrência para a conta do GDF - Governo do Distrito Federal, avaliada, por alto, em Cr$ 150 milhões.
Para garantir a exclusividade da conta agências locais, um dos itens do edital exigia que a agência tenha recolhido ISS no Distrito Federal desde 1978.
O julgamento será realizado pelo coordenador de comunicação social do GDF, Marcos Vinicius Bucar, pelo assessor de Marketing do GDF, Cesar Teixeira, e, entre alguns outros, um publicitário com 15 anos de experiência, a ser convidado. A decisão final, porém, será do governador do DF, Aimeh Lamaison.
As apresentações de propostas foram realizadas anteontem. Sabe-se, já, que o consórcio constituído pela Oficina de comunicação, DPZ e SGB foi desclassificado, porque a DPZ não apresentou todos os documentos exigidos.
• • •
Com um coquetel no Hippopotamus, a L'ORÉAL lançará no próximo dia 2 a sua linda Floreal de shampoos com quatro perfumes distintos: camomila, maçã, alfazema e madressilva.
• • •
Ney Alves de Souza e Oscar Visser estão assinando a coluna "Propaganda" na Gazeta do Povo, de Curitiba.
• • •
Casa do Desenho - Marketing House
Anúncio veiculado na edição impressa.
A Johnson & Johnson está lançando seus cotonetes em novas embalagens de 150 e 200 unidades. A novidade é a embalagem de 200 unidades, em plásticos tipo porta-cotonetes, permitindo a reposição e facilitando o manuseio de produto sem que se tenham contato direto das mãos nas pontas algodão.
• • •
O Grupo de trabalho da Associação dos Contatos de Veículos de Comunicação do Rio de Janeiro já está se preparando para a eleições de abril da sua nova diretoria, para o biênio 80/82. A Janela pede aos contatos de veículos que não deixem de participar dos trabalhos da Associação.
• • •
Jorge de Oliveira esta se desligando da M.A. Galvão para gerenciar o setor comercial da Ril Publicidade.
• • •
As treze agências credenciadas para a concorrência da conta do IBGE (Norton, Almap, Caio, Salles, CBBA, MPM, Santos & Santos, Assessor, SGB, Artplan, Jotaé Kastrup, Denison e DPZ) foram convocadas para, na próxima reunião do dia 10, às 16:00 horas, apresentarem todos os documentos a propostas aquele Instituto, através dessa reunião, o IBGE provavelmente fara nova filtragem que definirá qual ou quais as agências que atenderão a verba de 250 milhas.