Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 19/DEZ/1980
Marcia Brito & Marcio Ehrlich

 

Janela Publicitária
Esta edição da Janela Publicitária foi publicada originalmente no jornal Tribuna da Imprensa.
O seu conteúdo foi escaneado e transcrito para ficar à disposição de consultas pela internet.


Propaganda brasileira não tem mais ministro.

Depois de vários rebates falsos, acabou acontecendo ontem, quando ninguém esperava, a queda do Ministro da Comunicação Social, o festejado publicitário Said Farhat. Na noite anterior à notícia, inclusive, a ABP, na abertura de sua festa anual no Canecão, lia trechos do telegrama que Farhat enviara não só a ela, como a todas as entidades do meio publicitário. Provavelmente, a última referência pública ao Ministro.
Com a saída de Farhat - Publicitário do Ano de 1979, pelo Prêmio Colunistas; Prêmio Comunicação 1979, na categoria "Profissional", pela ABP; Personalidade do Ano de 1979, pelo Jornal do Commercio - a classe Publicitaria fica um pouco assustada pela perda de talvez o maior elo de ligação que já teve com o Poder Público. Como nos confessou Paulo Roberto Lavrille de Carvalho, presidente do Sindicato das Agências de Propaganda do Rio de Janeiro, pessoalmente, ele lamentou a saída de Said por ser ele alguém que tinha muita identificação com o setor publicitário, e entendia bem nossos problemas. Tanto que Lavrille espera que seu substituto -­ caso venha a existir – “tenha a mesma abertura e compreensão com os publicitários como teve Said".
A queda do Ministro da Comunicação Social, no entanto, para Paulo Lavrille, não significará um "retrocesso" nas negociações do setor quanto aos projetos da Câmera e do Senado restritivos à atividade publicitaria. O presidente do Sindicato carioca afirma que "agora todo o Governo está consciente da situação da indústria da propaganda e tais problemas serão facilmente resolvidos”.

Brainstorming • Brainstorming • Brainstorming

Já está próxima de sua definição a concorrência para a conta do Governo do Distrito Federal. Até o momento sabe-se que foram eliminadas, por problemas na documentação, a Norton, a Salles e a Artplan. Ainda concorrem os seguintes consórcios: Almap e Grupo Jovem; Denison, GBP e Atual; SGB, Know-How e APP; DPZ e Oficina. Vale citar o aspecto ético da MPM de não ter apresentado proposta, desistindo da concorrência porque o genro do Governador do DF trabalha na agência em Brasília.
• • •
Aproveita-se aqui para informar que a Oficina de Comunicação não é (ou não está) mais associada à União de Agências.
• • •
Gualter Leão, da Assessor, foi escolhido Mídia do Ano pelos profissionais de mídia reunidos no almoço promovido pela Cebecê, em Niterói. No mesmo dia, definiu-se Alcina Machado, da Labor, como a Revelação em Mídia, (Alcina, revelação?!). Os dois receberão seus prêmios no almoço do próximo ano.
• • •
Num dos fins de ano mais pobres que já presenciamos, a grande saída das empresas está sendo mandar só cartões de boas festas. Menos mal que 90% destes cartões estão sendo os da Unicef, que pelo menos arrecada alguma coisa a mais para seus menores carentes. A prática usual, inclusive, é a de se imprimir a mensagem personalizada -- em apenas uma cor -­ no miolo do cartão. Mais barato que isto, impossível. Ainda assim, chegam cartões criativos, como o da Bazarello, que mandou um cartão da Loto perfurado para arriscar um Natal melhor. As cinco dezenas foram tiradas dos telefones da empresa, o cartão correu ontem. Infelizmente não deu nem uma dezena.
• • •
A revista Shalom está querendo contratar contatos aqui no Rio. Quem se interessar, deve procurar a sucursal da revista aqui nesta cidade, nos dias 29 e 30 próximos, à Av. Gomes Freire, 196/1301, ou pelo telefone 242-5473, com Marcela Roitman.
• • •
Paulo Penteado foi promovido a supervisor de Atendimento da Lintas no Rio, mudando com isto a estrutura da mídia na agência, que fica assim: diretor de Mídia ­ Octávio Florisbal; Supervisão de Planejamento - M. C. Kosma; Planejador - Celso Ferri; Pesquisa/Concorrência - Célia Ladeira; Veiculação - Jarbas Nogueira e Suely M. Caetano; Supervisão de Compras - Edison Benetti: Comprador - Ricardo Fremden. Os elementos de São Paulo se deslocarão sistematicamente para atender os clientes e veículos no Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, o recebimento de contatos de veículos, bem como de propostas serão canalizados na Lintas Rio através do Jarbas e da Suely. A partir de janeiro, as programações dos clientes de São Paulo nos veículos locais do Rio de Janeiro também serão negociadas e autorizadas por intermédio deste escritório. Segundo Fernando Rodrigues; diretor da Lintas-Rio, esta atitude é para prestigiar cada vez mais os veículos locais e permitir uma maior aproximação entre estas empresas.
• • •
Pelo segundo mês consecutivo, os comerciais das Casas Sendas foram os mais lembrados no Rio de Janeiro, segundo pesquisa da IPPM.
• • •
Segundo levantamento do "The Latin American Times", entre as 500 maiores companhias da América Latina, as quatros primeiras são de petróleo, respectivamente da Venezuela, México, Brasil e Argentina.
• • •
O programa "Propaganda e Mercado", que estes colunistas apresentam na TV Bandeirantes, aos sábados, cinco para o meio dia, apresenta esta semana uma entrevista com Luciano Veloso, gerente de Comunicação da Du Loren, que falará da ousadia da propaganda da empresa. No mesmo programa, Marcello Silva, redator da Artplan, e conhecido profissional de criação no Rio falará se a propaganda respeita ou não o consumidor. Sábado, às cinco para o meio-dia.
• • •
Informa-se, em São Paulo, que Enio Mainardi finalmente estaria retomando à propaganda, para dividir com Fernando Gracioso a direção da Tempo/Foote Cone & Belding.
• • •
Outra troca importante em São Paulo: Helga Mietke deixa a Caio e vai Para a Salles.
• • •
Vocês podem escolher entre os anúncios publicados nesta coluna -- um da Thompson para a Pepsi, e outro da paulista Grab --, se o sonho acabou ou não. Ah, que tremendo redator de propaganda teria sido Lennon.
Pepsi - O sonho não acabou Grab - O sonho acabou