Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 15/JUL/1994
Marcio Ehrlich

 

Esta edição da Janela Publicitária foi publicada originalmente no jornal Monitor Mercantil.
O seu conteúdo foi escaneado e transcrito para ficar à disposição de consultas pela internet.

Pesquisa da ABP mostra insatisfação no mercado

O mercado publicitário brasileiro está estagnado. A opinião é de 49% dos publicitários ouvidos por uma pesquisa realizada pelo Ibope para a Associação Brasileira de Propaganda com 231 profissionais que responderam a 1.100 questionários distribuídos a nomes de agências, anunciantes e veículos.
Nesta amostra - que o Ibope considera significativa para o setor publicitário carioca - apenas 39% dos que opinaram consideram o mercado em ascensão. Em relação ao mercado carioca, então, os números são mais dramáticos: 48% consideram-no em queda e 35% julgam-no estagnado, contra apenas 16% que o vêm ascendente.
Não por outra razão, no capítulo salário, 60% dos entrevistados não gostam do que ganham, mesmo tendo-se levantado que a grande maioria do mercado (47%) se situa na faixa entre quinhentos e dois mil dólares mensais, havendo até mesmo 24% na faixa acima dos três mil dólares. O maior descontentamento com os salários fica nas agências de propaganda. Em cada quatro, três profissionais de agência estão insatisfeitos. Curiosamente, o pessoal de veículos ficou na posição oposta: 67% estão satisfeitos com o que ganham, contra 29% de descontentes. Entre os anunciantes, o descontentamento ganha também, mas por margem menor que nas agências: 61% contra 39%.
Na verdade, a visão em relação ao mercado do Rio de Janeiro é "mais uma vez menos otimista do que em relação ao mercado nacional", aponta Jairo Carneiro, presidente da ABP. Apenas 39% acham que a qualidade da propaganda carioca vem melhorando. Enquanto 41% não notam mudanças no nível, 20% chegam a considerar a qualidade cada vez pior.
Além de tudo isso, a pesquisa detectou outra lamentável falha no mercado carioca. Apenas 39% dos profissionais em atividade no Rio são mulheres. E mais, a grande maioria dos publicitários (64%) se concentra na faixa dos 25 aos 40 anos.
Fica a pergunta para a ABP responder: para onde vão, afinal, todas aquelas alunas das faculdades de comunicação que infestam o Rio?

Prêmio Produção vai julgar melhores realizações de 93/94.

A Abracomp lançou esta semana mais uma versão do seu Prêmio Produção Brasil, o único concurso brasileiro voltado exclusivamente para julgar o setor de produção publicitária e promocional. Durante o julgamento, entram em análise a qualidade de realização das produtoras de comerciais e fonogramas e dos estúdios de ilustração e fotografia, sem qualquer influência da qualidade ou pertinência da criação da agência, como ocorre nos prêmios publicitários tradicionais.
Em seu 8° ano, o Prêmio Produção Brasil continua em evolução. Desta vez, além da premiação específica do Rio de Janeiro (o II Prêmio Produção Rio) haverá um julgamento regional exclusivo para todas as produtoras de fora do eixo Rio-São Paulo: o I Prêmio Produção Regional. O objetivo é permitir uma análise mais justa dos trabalhos que, naturalmente, contam com verbas de realização menores que os das produtoras de São Paulo e do Rio. Os vencedores do Produção Rio e do Produção Regional concorrerão, posteriormente ao Produção Brasil, junto com todos os trabalhos inscritos diretamente pelas produtoras paulistas.
Além disso, haverá uma valorização da premiação dos profissionais de produção, os chamados "Destaques". Nesta versão do Produção Brasil, o concurso vai se inspirar no Oscar e mesmo em outros prêmios locais, como o Shell de Teatro. O júri só poderá escolher, para cada categoria profissional - como Direção, Figurinos, Arranjo etc -, até cinco Destaques. Entre eles será escolhido o vencedor, cujo nome, porém, só será divulgado no dia da festa. Depois do julgamento, haverá a divulgação apenas dos nomes dos indicados.
Com a limitação dos Destaques a cinco, inclusive, pretende-se valorizar a premiação, da mesma maneira que uma indicação para o Oscar já é considerada um grande Prêmio para os profissionais de cinema.
As inscrições para o II Produção Rio e o I Produção Regional vão até 20 de Julho. As produtoras e estúdios paulistas podem se inscrever no Produção Brasil até 10 de Agosto.
Ano passado, no Produção Rio, a Produtora de Comerciais do Ano foi a Tec-Cine, título que a M21 conquistou no Produção Brasil. Neste concurso, a Produtora de Fonogramas do Ano foi mais uma vez a MCR, sendo a vencedora, no Rio, a Mega. O Estúdio de Fotografia do Ano do Brasil foi a Way of Light. O do Rio foi a Artephoto. E em Ilustração, o Estúdio do Ano nacional foi a Scorpion. No Rio, o prêmio não foi concedido.

Marcio Ehrlich - Cartum: Fica triste não, Zinho
N.R.(2015): Na Copa de 1994, o meio-campo Zinho não conseguia avançar no ataque, obrigado a ajudar na marcação. De tanto ficar rodando no mesmo lugar, acabou ganhando o apelido de "Zinho Enceradeira".

Fashion Mall escolhe V&S como nova agência.

A V&S foi a agência vencedora da concorrência do shopping São Conrado Fashion Mall, superando a sua co-irmã Young & Rubicam, que chegou a ser finalista e as outras quatro agências convidadas a participar da disputa: Almap/BBDO, Denison-Rio, Giovanni e Unità.
A verba anual do Shopping ­ sem contar com promoções cooperadas - é de US$ 700 mil, e estreará na V&S com a próxima campanha do Dia dos Pais.
A conta do Fashion Mall estava com a Mix Marketing desde que seu diretor, Axel Chaves - um especialista em marketing de varejo - deixou a sociedade na Oficina de Comunicação. Com a mudança no controle acionário do shopping, agora nas mãos do Grupo Bradesco, a Mix começou a ter dificuldades no relacionamento com o cliente, agravado por ela passar a trabalhar também para o shopping Via Parque. Há dois meses, a Janela anunciou que haveria uma concorrência para o Fashion Mall. Na época, a nota chegou a ser desmentida através de colunas sociais. Mas quem seguiu a dica da Janela e se aproximou do shopping, como foi o caso da V&S, acabou se dando bem.

MKTMIX MKTMIX

PARABÉNS PRA VOCÊ - A Janela se abre no parabéns para os próximos aniversariantes. Dia 17: Caio César Valli (Artplan); Dia 18: Armando Strozenberg (Contemporânea); Dia 19: Paulo Magoulas; Dia 20: Rogério Ehrlich (fotógrafo); Dia 21: Paulo Saad (Artplan-SP); Dia 22: Mário Castelar (Norton).
TUDO PELA SOCIAL - Esse negócio do pessoal passar notas furadas para as colunas sociais já está começando a pegar mal e vai acabar desqualificando o mercado como fonte. Esta semana, a coluna Zózimo teve que desmentir a barriga de que a Salles teria pego a conta da Fanta, conquistada, sim, pela DMB&B do México. Isso não se faz com a Valéria, pessoal, que ela é gente boa.
x
Anúncio criado pela Giovanni para veiculação ao lado da Janela.
CÓPIA NOVA - A conta da fabricante de copiadoras Gestetner (ex-Nashua) está sendo disputada neste momento por concorrência da qual participam a Bridge, a GR.3 e a Unità. O cliente estava na Cult, cuja campanha de 1993 foi bem aplaudida quando exibida na festa do último Colunistas-Rio, premiada que foi.
VAI-E-VEM - Ernani Gouveia, o conhecido e premiado "Naninho" é o novo diretor de arte da GR.3. Ele estava na Caio. E na Contemporânea, a mais nova contratação é de Ricardo Polmon como Supervisor de um Grupo de contas. Ricardo vem da MPM/Lintas-Rio, onde atendeu praticamente todos os clientes da agência. A MPM, aliás, resolveu levar toda a criação do Rio para São Paulo. Fábio Siqueira convenceu Ari Fidelis e Cássio Faraco. Só ficou faltando Jair de Souza, mas Fabinho ficou de tentar mais. Falando em Fábio, o outro, o Fernandes, levou para a F.Nazca, S&S, em São Paulo, o diretor de arte Eduardo Martins, que já trabalhara com ele na Artplan-Rio.
CARTAS - As correspondências para a Janela devem ser encaminhadas para a Praia de Botafogo, 340 grupo 210, CEP 22250-040, Rio de Janeiro - RJ. O telefone, em horário comercial, é (021) 552-4141.