Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 29/JUL/1994
Marcio Ehrlich

 

Esta edição da Janela Publicitária foi publicada originalmente no jornal Monitor Mercantil.
O seu conteúdo foi escaneado e transcrito para ficar à disposição de consultas pela internet.

Dez sugestões para não ser um avestruz

Há poucas semanas, a coluna publicou uma crítica à filosofia de avestruz seguida pela maioria da criação carioca: aqui, esconde-se a cabeça e deixa-se de fora, na reta, a parte mais sensível.
Era o protesto deste colunista à diferença de comportamento das delegações carioca e paulista no último Festival de Cannes. Enquanto os criadores paulistas se aproximavam ativamente da imprensa especializada, os cariocas buscavam, na sua esmagadora maioria, o contrário.
A repercussão foi exatamente a que imaginávamos. Reações estouraram em todo o mercado. Nos profissionais em que esta maneira de agir deve-se mais à timidez, o editorial da Janela serviu bem como um alerta. Eles entenderam o objetivo e elogiaram o texto. E agiram. Começaram a tirar a cabeça do buraco. Ligaram para a Janela, passaram fax e se comprometeram a enviar mais notícias.
Muitos outros, porém, em vez de tentar receber o recado, devem ter vestido a carapuça de serem os profissionais a quem creditamos agirem por mera arrogância e preferiram se ofender, levantando protestos junto a seus pares. Ou seja, enfiaram mais a cabeça no buraco, arrebitando ainda mais o traseiro. Azar o deles.
Como acreditamos que a maioria dos cariocas quer deixar de ser avestruz, ai vão dez sugestões:

  1. Entenda que a imprensa especializada é parte do negócio publicitário. Os jornalistas e colunistas especializados em propaganda devem ser vistos como colegas do mesmo setor, tão vivamente interessados no crescimento e na defesa da atividade como são os redatores, diretores de arte, diretores de comerciais, contatos de veículos, produtores gráficos, mídias, etc.
  2. Por isso, apoie a existência e o aprimoramento da imprensa especializada como você apoia a existência e o aprimoramento de fornecedores da propaganda. Todo mercado publicitário forte tem produtoras fortes e uma imprensa especializada forte. Enquanto São Paulo sedia diversas publicações especializadas em propaganda e mantém colunas (ou jornalistas altamente especializados) em vários jornais, no Rio só sobramos nós aqui neste bravo Monitor Mercantil e o pessoal do Jornal do Commercio. Estamos ou não perdendo com isso?
  3. Se você é dono de agência, acredite em propaganda para você mesmo tanto quanto você vende para os seus clientes. E como o seu melhor patrimônio é a sua equipe, deixe seus profissionais aparecerem. Melhor ainda: estimule que eles apareçam. Que deem entrevistas. Com isso eles também vão estar ajudando a sua agência a se destacar.
  4. Chega de o carioca ter vergonha de divulgar o seu trabalho, ainda mais quando o considera bom. Você não está fazendo nada desonesto. Por que não deixar todos saberem? O pessoal dos anunciantes também acabará sabendo e isto será bom para o mercado.
  5. Para se relacionar com a imprensa especializada, não precisa complicação nem cerimônia. Telefone diretamente para o jornalista. Se ele não conhecia você antes, vai ficar conhecendo. Se preferir, escreva um bilhete a mão mesmo e mande por fax.
  6. Sobre o que falar? Chame a atenção sobre um novo anúncio ou filme seu que está chegando na mídia nos próximos dias. Ou dê ideias para matérias sobre novidades ou problemas do mercado. Sugira. Proteste. Elogie. Ou simplesmente marque um chope.
  7. Além disso, se quiser se organizar melhor e atingir também a imprensa não especializada, contrate uma assessoria de imprensa. Há muitas que já trabalharam com empresas de propaganda e conhecem o assunto.
  8. Tire completamente da cabeça que um jornalista poderá te achar babaca ou exibido se você telefonar pra ele. A não ser que você seja realmente babaca e ligue pedindo explicitamente elogios porque acha que o jornalista tem a obrigação de dar. Ninguém tem obrigação de nada. Somos todos apenas pessoas de um mesmo mercado podendo ajudar uns aos outros.
  9. E também não ache que tudo o que você passar para o jornalista será aproveitado. Assim como no dia-a-dia da agência, nem tudo o que um criador fala vira anúncio. Mas nem por isso ele vai deixar de trocar ideias com sua dupla. Da mesma maneira, muito menos deixar de conversar com o jornalista.
  10. Finalmente, ajude a circular as colunas especializadas pela sua agência ou produtora. Peça à secretária para tirar Xerox ou colocar no quadro de avisos para que, sem distinção de hierarquia, todos possam saber o que se passa no mercado. Que tal começar a fazer isso já com esta coluna?

Grottera vira GR.3 também em São Paulo.

A GR.3 virou uma agência nacional. Depois de batizar a nova agência surgida este ano no mercado carioca a partir da fusão entre a Grottera-Rio e a BR.3, o nome GR.3 entra em São Paulo em substituição ao "Grottera e Associados" da matriz da empresa, fundada pelo publicitário Luís Grottera.
Com a unificação, a matriz ganhou o apêndice "Brasil" em sua marca, para diferenciá-la, e uma participação na sociedade do publicitário Gustavo Bastos, o fundador da BR.3, em uma proporção que os sócios comprometeram-se a não revelar. O escritório carioca, do qual também participam Maria Alice Langoni e Marcos Frauches, ficará conhecido agora como GR.3-Rio.

Unità vence a disputa da conta da Gestetner.

Foi para a Unità a conta da Gestetner (ex-Nashua), que atua hoje no Brasil com uma linha de copiadoras da mesma marca e com os disquetes Nashuatec.
A campanha vencedora da concorrência - composta de anúncios para jornal - começa a ser veiculada nacionalmente já a partir do dia 15 de agosto, em um flight que se estenderá até outubro.
A verba publicitária da empresa neste exercício, apenas para a área de copiadoras, ficará em tomo de US$ 500 mil.

Rio ganha produtora exclusiva de animação.

A Intervalo, agora a maior produtora de computação gráfica do Rio, criou uma nova divisão dentro da empresa, a Intertoon, voltada exclusivamente para a produção de cinema de animação.
Coordenada pelo desenhista Levi Luz, a Intertoon está produzindo um longa com vários episódios de animação, do qual participam ainda nomes como Stil e Arturo Uranga. O projeto, chamado de "Os Sete Pecados Tropicais", deverá ser distribuído internacionalmente pela Buena Vista, distribuidora dos filmes da Disney.

MKTMIX MKTMIX

• PARABÉNS PRA VOCÊ ­ A Janela se abre para abraçar os próximos aniversariantes do mercado. Dia 30: Marcia Brito (colunista) e Nilton Ramalho (ilustrador). Dia 01: Aroldo Araújo (Aroldo Araújo) e Carlos Alberto Vizeu (Teletape).
• PARA INCENDIAR O MERCADO - A Shell lança no mês de agosto um novo produto da sua linha "Fórmula", exclusivamente para o mercado brasileiro. Nas duas últimas semanas, o diretor dos dois primeiros filmes da linha, o anglo-americano Ian Leech, esteve filmando no Brasil o comercial criado pela Standard­Rio e produzido mais uma vez pela Movi&Art.
• MARCANDO NA AGENDA - Quem gosta de ir ao Festival de Cannes (acho que todo mundo deve gostar...) pode anotar. Em 1995 o evento já está confirmado para a semana de 19 a 24 de Junho.
• CRESCENDO NO RIO -A Genesis tem gente nova: Alexandre Amaro acaba de ser contratado para integrar o grupo que atende a Encol. Enquanto isso, Ricardo Correa, que era gerente de atendimento da agência, foi promovido a seu diretor de marketing.
• SEM CULPA - A Nutrícia resolveu superar a sua crise lançando produtos ousados. Agora, quem não quer engordar, mas gosta de comer, terá a possibilidade de comer o mousse de chocolate e o creme de chantilly dietético com a marca Dietil, que se somam aos já tradicionais pudins, gelatinas e flans vendidos pela empresa.
• MARKETING NÃO TEM TAMANHO- A padaria Biruta deu uma aula de marketing na última semana no jornal de bairro Zona Sul, do Globo, com este anúncio para vender - com oferta de preço - o que provavelmente já é o produto mais barato possível de se encontrar no país: o pão francês. Bem produzido, a cores, o anúncio mostrou que para aparecer bem na mídia não é necessário ter verbas de milhões de dólares e produtos apenas destinados à classe média alta. É preciso mentalidade de marketing e ousadia.
• CARTAS - As correspondências para a Janela devem ser encaminhadas para a Praia de Botafogo, 340 grupo 210, CEP 22250-040, Rio de Janeiro - RJ. O telefone, em horário comercial, é (021) 552-4141.

x
Anúncio criado pela agência Giovanni para veiculação ao lado da Janela Publicitária.