Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Marketing & Publicidade - Edição de 12/JUN/1988
Marcio Ehrlich

 

Esta edição da coluna "Marketing & Publicidade" foi publicada originalmente no Jornal do Commercio do Rio de Janeiro.
O seu conteúdo foi escaneado e transcrito para ficar à disposição de consultas pela internet.

Grande, grande, grande festa

Emoção.
Este foi o prato principal da festa de entrega dos diplomas aos vencedores do VII Prêmio Colunistas-Rio, ocorrida na última quarta-feira, no Hotel Intercontinental, e que reuniu nada menos de 560 empresários e profissionais de agências, anunciantes, veículos, representantes de veículos e produtores atuantes no Rio de Janeiro.
Há muitos anos não se via um astral tão alto e a emoção extravasar de forma tão marcante em uma festa de publicidade no Rio, expressada tanto durante o coquetel e o jantar em efusivas confraternizações, quanto durante a entrega dos diplomas, por explosões de alegria ou pelo apertar da garganta de uns, e ainda por apaixonadas defesas ou declarações de amor pelo mercado do Rio de Janeiro de outros.
Enfim, foi uma festa inesquecível para quem teve a sorte de estar presente, comprovada pelo ar leve e satisfeito das pessoas que deixavam o salão ao seu final e pelos incontáveis cumprimentos recebidos pelos organizadores no restante da semana.
Ao que parece, o mercado carioca estava precisando viver um momento assim. A crise econômica por que passa o país, sem dúvida vem afetando ainda mais fortemente o Rio de Janeiro, esvaziado há anos pela inércia de governos insensíveis às necessidades da livre iniciativa carioca, o que acabou se refletindo na atividade publicitária local, tão cheia de profissionais de excepcional talento, mas que não conseguem ver posto em prática o resultado de sua capacidade e sua experiência profissional.
A não ou pouquíssima concessão de prêmios para os trabalhos cariocas em concursos como o Anuário de Criação de São Paulo ou o prêmio Profissional do Ano da Rede Globo já estava entalada na garganta do publicitário carioca. Isto sem falar que alguns anunciantes sediados no Rio ainda entregam trabalhos a agências em São Paulo, frustrando os criadores cariocas. E que, por sua vez, alguns diretores de criação do Rio ainda entregam trabalhos a produtoras de São Paulo, frustrando jinglistas, diretores de comerciais e produtores cariocas.
Nada contra São Paulo é claro, tão cheio de profissionais, agências e produtoras de inegável talento. Mas não há quem possa afirmar que o Rio os tenha em menor quantidade.
Talvez por isso, na festa, aproveitando o clima de emoção, o alto astral, o sentimento de carinho pairante no ar e a excepcional representatividade e receptividade dos presentes, quem pode falar em defesa do Rio falou, sem perder o inevitável bom humor e espírito carioca, e sobrepujando em muito aqueles de sempre cuja principal preocupação parece se exibir seus bons dotes aos olhos dos colegas paulistas.
Bem lembrou Waldir José Guido, ao receber o prêmio de Veículo do Ano para este Jornal do Commercio, que, assim como nestes seus 160 anos, o Jornal se orgulhou de defender e estimular a livre inciativa no Rio de Janeiro, há mais de um ano vem mantendo, todos os domingos, esta pagina dedicada ao marketing e à publicidade, que estará sempre aberta a colaborar para o crescimento deste nosso mercado, refletindo e fazendo repercutir todas as suas necessidades e exigências, como já o fez em tantas oportunidades.
Enfim, valeu ter podido assistir à festa do VII Prêmio Colunistas-Rio. Não fosse por tudo isso, pela beleza do Centro de Convenções do Hotel Intercontinental, pela fartura do ótimo whisky Vat 69 e dos incríveis vinhos Cave D'Antibes, pelo charme das recepcionistas da Cia. de Modelos, pela perfeição do áudio visual da Hoffmann, pelo lindo diploma criado pela Thompson Rio, pela competentíssima e simpaticíssima atuação dos mestres de cerimônia Fábio Junqueira e Cissa Guimarães e pela presença de tanta gente bonita e feliz.
Nesta, e na página seguinte, alguns dos momentos que mais marcaram da entrega dos prêmios, em fotos de Cristina Granato.

Paulo Rolf e Marcia Brito Waldir José Guido e Lúcia Leme
A emoção tomou conta tão intensamente de Paulo Rolf, vice-presidente da Artplan, ao receber de Márcia Brito o prêmio de Publicitário do Ano do 7º Colunistas-Rio por uma liderança e dinamismo à frente da agência, que quase o impediu de levar até o final seu discurso de agradecimento. Waldir José Guido, diretor-coordenador-comercial do JORNAL DO COMMÉRCIO, ao receber de Lúcia Leme o diploma de Veículo do Ano, aliou-se, em seu forte discurso, às posições de defesa do nível de identidade e profissionalismo dos publicitários cariocas.
Carlos Manga e Marcio Ehrlich Xuxa, Lena Ehrlich e Marcio Ehrlich
Carlos Manga, que, segundo a mestra-de-cerimônias Cissa Guimarães, "continua um gato", transpirava em cada poro orgulho e felicidade pelo prêmio de Profissional do Ano, entregue por Marcio Ehrlich, e defendeu brilhantemente, em seu discurso, a imagem dos seus colegas diretores e produtores de comerciais do Rio de Janeiro. Xuxa Meneghel, com sua irradiante beleza e simpatia, foi um dos maiores sucessos da festa. Ela recebeu, com a indisfarçável emoção da extasiada baixinha Lena Ehrlich, o Destaque do Ano por sua crescente utilização nas campanhas publicitária de produtos e serviços destinados à criança.
Equipe da Giovanni Antonio Kriegel e Genilson Gonzaga
A equipe de diretores e funcionários da Giovanni & Associados juntou-se aos clientes da agência em uma festa própria dentro de outra festa para comemorar a conquista do cada vez mais cobiçado prêmio da Agência do Ano dos colunistas. O diretor de marketing da Pepsi, Antônio Kriegel, que recebeu de Genilson Gonzaga seu diploma de Anunciante do Ano, mostrou-se fortemente sensibilizado por ver que foram reconhecidos os esforços de marketing da Pepsi na retomada de sua participação no mercado carioca de refrigerantes.
Daruiz Paranhos e Marcia Brito Nestor Jost e José Roberto Penteado
Cheio de orgulho, Daruiz Paranhos, gerente de publicidade da Esso, representou a empresa para receber de Marcia Brito o destaque pelo novo posicionamento de sua imagem como anunciante e como distribuidora de petróleo. O presidente da Abifumo, Nestor José, recebeu sorridente de José Roberto Penteado - que aproveitou para defender o direito de livre comunicação dos cigarros - o Destaque do Ano à indústria cigarreira, por sua decisão de ter reiniciado, em 1987, as atividades de comunicação publicitária.

Publicitários foram feitos para brilhar.

Prêmio, para o publicitário, não é apenas um estímulo à sua vaidade.
Prêmio é o reconhecimento público da qualidade do trabalho realizado depois de muita reunião, muita inspiração, muita transpiração, muita tensão, muito tesão, muita pressão e, não raras vezes, muita frustração.
A foto do publicitário não sai a quatro cores na capa do seu fonograma, nem na contracapa do seu anúncio de revista. E ninguém promove vernissage no lançamento de suas campanhas.
Publicidade não é obra de arte, está certo. É "arma de marketing", dizem os livros.
Mas nem por isso é menos merecedora de orgulho por quem faz.
E de aplauso, porquem gosta.

Gustavo Moreira de Souza, Marta Bartholomeu, André Barros e Marcia Brito Roberto Simões, Marcia Brito, Genilson Gonzaga, José Roberto Whitaker Penteado Filho, Lucia Leme e Márcio Ehrlich
Receber prêmio é motivo de alegria e descontração, como provaram Gustavo Moreira de Souza, presidente do Rio Sul, Marta Bartholomeu, diretora de atendimento da Salles e André Barros, o assessor de promoções da Brahma, recebendo os diplomas de Márcia Brito. Os anfitriões da festa: Roberto Simões, Marcia Brito, Genilson Gonzaga, José Roberto Whitaker Penteado Filho, Lucia Leme e Márcio Ehrlich, jurados do VII Prêmio Colunistas-Rio, foram calorosamente aplaudidos pelos 560 publicitários presentes.
Vicente de Vicq, Cleber Damasceno, Ricardo Galletti, Beth Lamosa e Roberto Simões Paulo Mourão Guimarães, Ligia Azevedo, Valdir Siqueira, Paulo Cesar Costa e José Roberto Penteado
Um momento bonito entre agência e cliente, na alegria de Ricardo Galletti, diretor de criação da Tandem (ao centro), com a assessora de publicidade da prefeitura Elizabeth Lamosa, ao receberem seus diplomas de Roberto Simões, assistidos por Vicente de Vicq, diretor de atendimento da agência, e Cleber Damasceno, diretor de Flupeme, também premiada. O palco do Hotel Intercontinental viu juntar o orgulho discreto de Paulo Mourão Guimarães, presidente da Ferreira Guimarães à beleza exuberante de Ligia Azevedo, à elegância de Valdir Siqueira e a felicidade de Paulo Cesar Costa, supervisor de criação da VS Escala, nos prêmios entregues por José Roberto.
Bruno Carlos de Andrade, Carlos Eduardo Bertolot e Genilson Gonzaga Paulo Sérgio Talarico, Flavio Guerreiro, Luis Carlos e Jomar Pereira da Silva
Bruno Carlos de Andrade, diretor de atendimento da Azagaia (ao centro), e Carlos Eduardo Bertolot, coordenador de comunicação da Funabem, não se contiveram para comemorar o diploma que suas empresas conquistaram no Colunistas-Rio, e que foi entregue por Genilson Gonzaga. Grande confraternização no palco: Jomar Pereira da Silva, na direção, vice-presidente da Expressão, avança para abraçar Paulo Sérgio Talarico, da Sasse, mas é cumprimentado por Flávio Guerreiro, redator da agência, sob o olhar divertido do diretor de criação Luis Carlos.
Delano D'Avila, Lucia Leme e Leila Abraham Lória Richardson Valle, Joaquim Antônio Cardoso Gomes, Caleco Sá e Marco Fagin
Cliente feliz por ganhar prêmio é coisa bonita de ver. Pois aí está o sorriso farto de Leila Abraham Lória, diretora executiva da Mesbla Loja de Departamento, após receber de Lúcia Leme os diplomas a que também fez jus Delano D'Ávila, como diretor de criação da Provarejo. O presidente dos Postos Itaipava, Richardson Valle, e o assistente comercial da Matec, Joaquim Antônio Cardoso Gomes, compareceram para receber os diplomas que conquistaram com a Diler, que foi representada por seu vice-presidente Caleco Sá e pelo diretor de arte Marco Fagin.
José Suassuna, Wilson Loureiro e Wilson Ribeiro Vitor Capeluto, Paulo Redher, José Roberto Penteado, Adeir Rampazzo e Eduardo Lanes
A jovem agência Zapt, pelo terceiro ano consecutivo recebe prêmios para seu cliente Casa Nem Mais um Passo. O cliente, Wilson Ribeiro (a direita), vibrou como sempre com o diploma, ao lado de José Suassuna, diretor da agência, e Wilson Loureiro, seu diretor de criação. José Roberto Penteado apregoa, para quem duvidar, que foram merecidos os diplomas da MPM, recebidos por Vitor Capeluto, da gerência de marketing da Ipiranga; Paulo Redher, assessor chefe de imprensa da Bolsa do Rio; Adeir Rampazzo, da agência; e Eduardo Lanes, gerente de produtos de Hollywood.
Cristóvão Martins, Mauro Matos e Roberto Simões Stalimir Vieira, Carlos Campana, Roberto Simões, Gilmar Madureira e Paulo Gravias
Cristóvão Martins e Mauro Matos são veteranos ao palco do Prêmio Colunistas. Desta vez, receberam os prêmios Rogério Steinberg como os segundos mais premiados diretor de arte e redator do concurso, além dos inúmeros diplomas da Contemporânea, entregues por Roberto Simões. Stalimir Vieira, diretor de criação da DPZ, e Carlos Campana, diretor de atendimento da agência, assistem ansiosos Roberto Simões distribuir os diplomas a Gilmar Madureira, gerente de grupo de produtos da Souza Cruz e a Paulo Gravias, assessor de comunicação social da Embratel.
Paulo Brandão e Marcio Ehrlich Denis Baldassarri e Marcia Brito
A expressão de Paulo Brandão, da Artplan, deixa clara a enorme alegria que sentia por dentro ao receber, pelo segundo ano segundo o Prêmio Rogério Steinberg por ter sido o diretor de arte que maior número de prêmios conquistou no Colunistas-Rio. Vejam só se os olhos de Denis Baldassarri, diretor de marketing do Banco Bozano Simonsen, estão ou não brilhando por ter recebido, de Márcia Brito, a medalha de prata pela campanha criada pela W GGK para o seu Fundo ao Portador?
Antonio Carlos de Almeida, Gilda Arantes e Roberto Bahiense  
Roberto Bahiense, vice-presidente da Esquire, vai distribuindo os diplomas que sua agência conquistou a Gilda Arantes, gerente de vendas da Shulton e a Antônio Carlos de Almeida, diretor da divisão agrícola da Cyanamid ajudado por sua supervisora de criação, Alda Correa da Costa.  

MKT MIX

Nielsen vai apurar eletro-eletrônicos.

A Nielsen Serviços de Marketing - que já vinha atuando no Brasil na pesquisa de vendas de varejo nas áreas de alimentos, farma-comésticos, bares e bebidas alcóolicas para estabelecer as participações dos diversos produtos aos seus mercados -, passa a operar, a partir deste mês, no levantamento de produtos da linha eletro-eletrônica.
Neste novo serviço, a Nielsen cobrirá 17 categorias de produtos das linhas branca (geladeiras, freezers, máquinas de lavar, etc.), marrom (tvs, vídeos e som) e portáteis (liquidificadores, rádios, ferros elétricos etc.), fabricados por cerca de 150 indústrias instaladas no Brasil, para fornecer, em seus relatórios, informações cruzadas da classe do produto, seu fabricante, marca e modelo com os tipos de lojas nos quais são vendidos e sua segmentação geográfica.
Para isto, a empresa - que pertence ao gigantesco grupo norte-americano Dun & Bradstreet - estabeleceu um acordo de cooperação com as 22 principais cadeias de lojas do país, abrangendo nada menos que 400 pontos de vendas, o suficiente, segundo a Nielsen, para trabalhar com dados reais, e não expandidos.

Produtores de Disco vão para a Giovanni

A Giovanni & Associados venceu esta semana a concorrência pela conta da Associação Brasileira dos Produtores de Discos, disputando com a DPZ-Rio e a WGGK.
Adilson Xavier, diretor de Criação da Giovanni, adianta que, desta vez, a ABPD fará uma campanha com sustentação anual, mudando a sua estratégia de anunciar apenas próximo a datas especiais como o Dia dos Namorados, Natal etc. O objetivo é tentar recuperar e estabilizar as vendas de discos durante todo o ano.
O lançamento da nova campanha será em agosto, com veiculação nacional basicamente nas mídias eletrônicas: tv e rádio. Além disso, a Giovanni produzirá uma forte quantidade de material de ponto de venda e de promoções, que inclui até cartões especiais para dedicatória, que os lojistas oferecerão aos seus compradores.

CURTAS

• O Ministério da Agricultura está abrindo concorrência para a contratação de agências de propaganda, no próximo dia 27 de junho, ás 10 horas. As agências podem conseguir o edital completo da concorrência na sala 234 do edifício- sede do Ministério, na Esplanada dos Ministérios.
• A Pepsi e a Refrigerantes Imperial estão lançando, em Goiânia (o novo mercado teste das guerras de refrigerantes), o primeiro refrigerante litro sabor laranja com tampa de rosca: Mirinda. A Pepsi garante que, na região, já lidera o mercado de colas, com 70% de participação.
• Uma jogada interessante da Estrela e da Gessy Lever, de fazerem a promoção casada do novo ursinho de pelúcia daquela empresa, que leva o nome de "Fofo". Aproveitando a textura e maciez do bichinho, a Gessy Lever está utilizando como personagem do comercial do seu amaciante de roupas que tem o mesmo nome. Por sua vez, o produto da Estrela é apresentado com um brinde: uma amostra em miniatura do Fofo da Gessy Lever.
• A venda de 19,9% das ações da Almap para a BBDO já vai trazer uma consequência imediata em relação a um anunciante do Rio. As contas dos desodorantes Trinity e Avanço, fabricados pela Gillette, com certeza vão sair da Lage, Stabel/Magy (ex-Lage, Stabel/BBDO) e passar para a Almap.
• Os americanos, aliás, não brincam em serviço. Semana que vem, descobrimos, o presidente mundial da BBDO, Norman Campbell, estará no Brasil para fazer uma apresentação do que é a agência para os clientes brasileiros da Almap.
• O Jornal do Brasil, em carta simples às agências e anunciantes, está comunicando que não mais faturará seus anúncios no sistema de "30 dias fora o mês". A partir de 1º de julho, o faturamento do Jornal será de "30 dias fora a quinzena". Ou seja, as veiculações entre 01 e 15 de cada mês vencerão no dia 15 do mês seguinte, E as ocorridas entre 16 e 30/31 vencerão no outro dia 30.
• Vera Françosa, ex-atendimento da Pubblicità, é a nova contratada da MPM para atender as Casas Pernambucanas.
• A Freebook, importadora de livros, através de seu diretor Manuel Dias Teixeira Neto, envia a comunicação de que está procurando fazer acordos operacionais com as entidades de classe do setor publicitário para permitir assinaturas de publicações estrangeiras do setor, anuários de propaganda internacionais e livros de fotografias, embalagens, merchandising etc., só não veio o telefone da Freebook, para contatos.
• Carlos Emiliano Eleutério, ex-SGB e Giovanni, onde dirigiu as áreas de comunicação social, decidiu abrir sua assessoria, a Plantin, em sociedade com Anne Raquel Sampaio.

CONTOS & CONTAS

Genilson Gonzaga

O verbo e a sensibilidade de Roberto Simões.

Na inesquecível noite de quarta-feira, quando o Prêmio Colunistas consagrou os melhores da propaganda carioca, no Hotel Intercontinental, consegui arrancar do companheiro Roberto Simões - um dos pasteizinhos de estimação da minha atribulada vida - o depoimento que se segue e que é um hino de amor e respeito aos valores desta cidade de sol, mas, competência e maravilhas.
Roberto Simões fala com autoridade de presidente do júri - que trabalhou num fim de semana em que terrível tempestade quase varreu o Rio do mapa pátrio - e de principal historiador de coisas e fatos de marketing e da comunicação publicitária.
Deliciem-se (GG).

Carioca que, por haveres e deveres de estudo e profissão, acabou virando globe-trotter e, ao fim, se emplacou em São Paulo, acabei me revendo este ano pisando o chão da infância. Foi um momento de muita emoção, para mim, quando meus companheiros de júri, - os alienígenas Armando Ferrentini e Nelson Varón Cadena - e os que aqui, neste São Sebastião do Rio de Janeiro - sentam praça de comentaristas das coisas e loisas publicitárias: Genilson Gonzaga, José Roberto Whitaker Penteado Filho, Lúcia Leme, Márcia Brito, Marcio Ehrlich, me entregaram a incumbência de presidir o júri do Prêmio Colunistas, na versão Rio de Janeiro. Logo a mim, que sempre gostei do anonimato de amanuense do prêmio, fazendo anotações, redigindo atas, movendo uma briga eterna com a computação para, pelo menos, ser um escriturário eficiente.
Honraria demais que machucaria um coração envelhecido. Tentei harmonizar, buscar consenso e bom senso. E não foi deveras muito fácil exatamente naquela noite em que chuvas e mares resolveram se compor num complô para destruir essa cidade sempre maravilhosa. Quase o julgamento foi por água abaixo. Hoje eu me pergunto se a minha escolha, carioca relapso, não contribuiu para fortalecer a ira dos mares.
Muito a bom tempo, me redimo e fico de consciência tranquila por ter presidido o júri que contemplou esse exemplo de persistência empresarial, de força interior para buscar um bom produto publicitário que nos vem sendo dado pela Giovanni, mui merecedora do título de Agência do Ano.
Também posso deitar minha cabeça no travesseiro dos justos quando avalio a justiça que o júri fez para com Paulo Rolf Feil, uma das vigas de sustentação desta sempre valorosa Artplan. Paulo só traz dignidade para a carga onerosa que é ser Publicitário do Ano.
Nostálgico, eu me recordo dos tempos em que aqui mesmo no Rio escrevia para uma publicação especializada, o Jornal de Cinema, utopia dirigida pelo destemor de Célio Gonçalves. Minha missão em fazer, mensalmente, a cobertura do que ocorria nos estúdios da Atlântida, especialmente as ideias de Watson Macedo e de José Carlos Burle. E foi ali, ainda sem cabelos brancos, que comecei a respeitar a tenacidade e o talento de José Carlos Manga. Entregar-lhe o galardão de Profissional de Propaganda, para mim, mais do que obrigação, é um ato de reconciliação com os meus sonhos de jovem, de gratidão por ter ele me permitido usufruir a sua imensa sensibilidade. É emoção demais!
Carioca incorrigível e com uma incrível vocação alfarrabista, alguém que se sente muito bem manuseando manuscritos históricos, documentos amarelecidos, não poderia ser mais gratificado pelos meus pares de júri foi que naquele momento em que naquele momento em que, uníssonos, resolvemos reconhecer o velho JORNAL DO COMMERCIO, com dois emes como o fundou Plancher, como Veículo do Ano. Ali estava toda uma história gloriosa confirmando o presente e garantindo o passaporte para o futuro.
E o que dizer sobre a nomeação da Pepsi como Anunciante do Ano? Tudo o que tinha a falar, a observar, a comentar, já o fiz - na minha pretensão de observador atualizado das coisas que ocorrem no marketing brasileiro, numa série de artigos. Um gigantesco trabalho de recuperação de Share of Market, de imagem coorporativa, de afirmação e denodo da correta e inteligente aplicação das técnicas mercadológicas.
Porque me jurei ser breve, fico por aqui, transbordando de alegria e emoção por ter o privilégio de abraça-los um a um.
Muito obrigado

Roberto Simões