• NBS encerra também com o TSE e decide deixar Brasília

    NBS - Recepção

    EM PRIMEIRA MÃO – A Dentsu Aegis Network (DAN) decidiu não renovar o contrato que sua agência NBS tem em Brasília com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A agência, que conquistou a conta em 2019, tinha assinado a renovação em 2020 por R$ 6 milhões, valendo até 02/07 deste ano.

    A Janela já havia registrado em abril último (veja abaixo) que a NBS não renovou com a Secom a verba adicional que o órgão havia acrescentado às contas da Artplan e da Calia. Agora, a decisão implica em que a agência não assine sequer uma eventual renovação que a Secom decida fazer enquanto não sai com sua prometida concorrência.

    Procurada pela Janela, a assessoria da DAN confirmou a notícia mas garantiu que “seguirá honrando suas entregas até o término da vigência dos mesmos”.

    Reflexos da CPI?

    Não deve ser fácil para os dirigentes da DAN no Brasil explicar para os japoneses que comandam a rede internacional as peculiaridades nas relações das agências brasileiras com as contas públicas.  Tanto que, em 2020, o grupo decidiu cancelar várias de suas relações federais, inclusive encerrando as atividades dos escritórios da Isobar, mcgarrybowen e MKTG de Brasília. Mas a NBS foi mantida, atendendo no mercado local a Secom, o TSE e o BRB (conta cujo contrato terminou em fevereiro deste ano).

    Até que, no último dia 10/06, a CPI que investiga os descuidos do Governo Federal no combate à pandemia da Covid-19 resolveu envolver também as três agências que atendem a Secom na sua investigação, quebrando seus sigilos telefônico, telemático, bancário e fiscal.

    Imaginem Eduardo Bicudo, CEO da Dentsu Aegis Network, tendo que dar a notícia à matriz do grupo?

    Segundo analistas do mercado, pode ter sido a gota d’água que acabou na decisão desta semana. Brasília nunca mais.

    E o TSE, como fica?

    Na concorrência em que a NBS conquistou a conta do TSE, a agência superou em pontuação (veja matéria  de 2019 abaixo) as agências Nova/SB, Escala e DeBrito. Ou seja, saindo a NBS da frente, a Nova/SB teria todas as condições de pleitear assumir o posto, já que ela também passou pela fase final, de habilitação dos documentos.

    Vale lembrar que em 2022 o país terá uma eleição majoritária, para presidente, governadores e prefeitos. E o TSE terá obrigatoriamente que anunciar suas campanhas educativas. Nenhuma agência com bom-senso perderia essa oportunidade.

    LEIA TAMBÉM NA JANELA

    TSE oficializa a NBS como sua nova agência (em 15/03/2019)

    Dentsu decide deixar contas públicas no Brasil (em 23/06/2020)

    TSE renova com NBS até 2021 por R$ 6 milhões (em 24/06/2020)

    NBS não renova com a Secom e conta fica só com Artplan e Calia (em 07/04/2021)

    CPI da Covid quebra sigilos das agências Artplan, Calia e NBS (em 10/06/2021)

    PUBLICIDADE

    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADETupi FM

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    *

    code

    seta