• Clientes podem estar explorando as agências por conta da pandemia

    Burnout

    O alerta é das entidades do mercado publicitário e digital: com a justificativa dos tempos de pandemia e de home-office, os clientes estariam abusando nas demandas de trabalhos com prazos curtos e fora do horário regular.

    Depois de detectar essas queixas em empresários e profissionais do setor de comunicação, a Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), a Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) e a Associação Brasileira de Agentes Digitais (Abradi) decidiram dar início a uma ação coordenada para discutir e alertar o mercado sobre o impacto do que vem ocorrendo.

    “As agências têm sido pressionadas para desenvolver um número de ações para entrega em prazos da noite para o dia. O trabalho se intensificou devido à dinâmica mais intensa das ações online, enquanto, paradoxalmente, houve uma redução da remuneração dos clientes nesse período, gerando um desequilíbrio nas condições para o atendimento dessas demandas”, alerta Daniel Queiroz, presidente da Fenapro, que explicou: “As solicitações passaram a chegar via WhatsApp diretamente para as equipes, com prazos muito curtos, inclusive para ações complexas.”

    A decisão das entidades de se unirem seria por conta de a situação estar se tornando insustentável. “É preciso a cooperação de todas as partes para se manter não só o equilíbrio dos contratos e se buscar um ponto de equilíbrio das demandas, mas, principalmente, para se preservar a saúde mental das equipes”, lembram os signatários do manifesto.

    “Chegamos a um ponto em que essas pressões ameaçam a operação das empresas”, afirma Mario D’Andrea, presidente da Aba. “Entendemos que os próprios clientes também enfrentam dificuldades, pressionados pela concorrência e as vendas oscilantes, mas é preciso ter um planejamento mais consistente e equipes preparadas para gerenciar esta situação sem onerar os fornecedores”, defende D’Andrea.

    Para o presidente da Abap, é preciso “evitar que se criem problemas legais e de gestão, principalmente para as empresas de médio e pequeno porte, que não têm estrutura e força para responder às pressões e absorvem as solicitações na tentativa de garantir sua sobrevivência, especialmente neste momento que suas reservas de caixa estão baixas e foram impactadas pela pandemia”.

    Carolina Bazzi Morales, presidente da Abradi, cita que “um dos aprendizados do home office para a gestão de pessoas foi que trabalhar de casa não significa estar ao dispor dia e noite para a empresa”. A entidade que atua com o setor digital afirma que “mais do que suscitar queixas, os excessos, vigilância e demandas abusivas passaram a desmotivar e ameaçar a produtividade”.

    Além dos ajustes nos contratos, a recomendação da Fenapro, da Abap e da Abradi tem sido a de que as empresas e funcionários estejam atentos a sinais que indiquem que esses casos citados acima. E mantenham um diálogo constante com seus clientes para prevenir que eles continuem acontecendo.

    PUBLICIDADE

    PUBLICIDADETupi FM
    PUBLICIDADE

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    2 + 4 =

    Discussão

    1. Michel Gomide

      Flavio “Faveco” diretor da Standard, tinha uma frase perfeita para ilustrar esse fato:
      “Quando o Cliente está satisfeito, a Agência está perdendo dinheiro…”
      Uma infeliz verdade

    2. Eduardo Domingues

      Grande novidade… Cliente SEMPRE explorou Agência…com raríssimas excessões…

      Caio A. Domingues sempre disse que: “…não pode haver diálogo comercial entre uma empresa pequena (Agência) e empresa maior (Cliente)…”

      A verdade é que Cliente é SEMPRE maior do que Agência…
      Daí, Agência é sempre SUBSERVIENTE ao Cliente…

      Flavio “Faveco” diretor da Standard, tinha uma frase perfeita para ilustrar esse fato:
      “Quando o Cliente está satisfeito, a Agência está perdendo dinheiro…”

      E, o fato é que se a Agência não ganhar dinheiro e for a falência, o Cliente então vai dizer: “…está vendo, os dirigentes da Agência são uns incompetentes…!”

      Infelizmente, é ASSIM que a banda toca no nosso negócio…!

    seta