• Receita Federal libera retenção de imposto de renda na fonte para a mídia digital

    Promulgada em 1985, quando não se falava em mídia digital, a Lei 7.450/85,  estabelecia, em seu artigo 53, que estavam excluídas da base de cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) “as importâncias pagas diretamente ou repassadas a empresas de rádio, televisão, jornais e revistas, atribuída à pessoa jurídica pagadora”.

    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE

    A falha na modernidade da legislação foi resolvida na última semana, quando a Secretaria da Receita Federal definiu, em resposta a uma consulta, que a mesma regra vale agora também para a mídia digital.

    Em nota publicada na quinta-feira, 21/07, no Diário Oficial da União, ficou registrado que “as importâncias pagas ou creditadas a pessoa jurídica pela prestação de serviços de veiculação de mídia digital, por meio de aparelhos eletrônicos contendo propaganda ou publicidade elaborada por agências de propaganda, não estão sujeitas à retenção” de que fala a lei.

    Fica agora a questão que os sindicatos das Empresas de Publicidade Externa (Sepex) precisam esclarecer: vale também como “aparelho eletrônico contendo propaganda” as novas peças de DOOH?

    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, Rádio Tupi FM, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    *

    code

    seta