Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 
A Fenêtre é a cobertura da Janela Publicitária em Cannes.
 

Cannes, 17 de junho de 2005, sexta-feira

ESQUENTANDO OS TAMBORINS

Aí, hein, se deram bem? Se livraram do Marcio Ehrlich na cobertura de Cannes.
Melhor pra vocês, pior pra mim, que tenho que aturar.
Pô, o cara já começou dizendo que eu queria saber onde as pessoas iam ficar em Cannes. Que eu fiquei mandando foto de macho para a cobertura do ano passado. Colé, Marcião, tá me estranhando?
Ah, se não fosse o mensalão que recebo da Window of Advertising Corporation...
Mas parece que a boa notícia é que este ano vou à Cannes como “Press A”.
“Parece” porque não faço a menor idéia do que isso quer dizer. Acho que ao invés de ser barrado em vários lugares, vou ser barrado em quase todos.
Quem me conhece já sabe: não sou jornalista. Não vou investigar necas de pitibiriba. E não costumo lembrar de bulhufas depois das festas.
Pelo menos vocês vão poder ter contato com expressões como “necas de pitibiriba” e “bulhufas” já tão raras no cotidiano da língua portuguesa e que eu duvido que encontrem em outros veículos.
Mas vocês vão estar bem servidos de informação. Tem o Propaganda & Marketing, por exemplo. Podem acreditar: o festival nem começou e o Paulo Macedo já sabe quem vai levar o Grand Prix.
Em outros festivais já vi várias vezes jornalistas estrangeiros perguntando para o pessoal do Meio e Mensagem, do Blue Bus, do CCSP e do Vox News quantos prêmios o país deles tinha conseguido.
É sério. A cobertura dos veículos brasileiros é, de longe, uma das mais competentes e bem informadas do mundo. Ninguém envia tantos jornalistas e rala tanto na sala de imprensa e nos bastidores quanto o Brasil.
Por isso mesmo, como já dizia a filósofa e poetisa Luka: tô nem aí.
Espero que vocês façam como eu. Divirtam-se e desencanem. De sério, nessa coluna, bastam os entrevistados.


JOÃO DANIEL E ÁTILA FRANCUCCI NA JANELA

Antes de embarcarem, os jurados brasileiros em Filmes trocaram uma idéia com a gente. Obrigado aos dois e a assessoria deles na Jodaf e na JWT.

JOÃO DANIEL TIKHOMIROFF, DIRETOR

João Daniel TikhomiroffFS: João, você já ganhou mais de 40 leões em Cannes. O que faz uma idéia ser mais do que finalista?
JD: Acho que tem que ser rompedora. Ou então, permitir uma realização surpreendente. Isto é, o filme tem que bater na primeira vista, saltar. Mas, claro, também depende dos concorrentes na categoria.
FS: Você acompanha o festival há muitos anos. Eu estava conversando com uns amigos outro dia e surgiu uma discussão interessante: que as idéias que vão para os festivais estão cada vez mais universais e por isso estariam cada vez mais longe do bom trabalho que é feito localmente. Existe esta distorção?
JD: Sem dúvida, as peças que mais se destacam no Festival são as que têm uma linguagem mais universal, com exceção dos filmes americanos e ingleses, cuja cultura já foi totalmente assimilada em todo o planeta. Afinal, fomos bombardeados durantes décadas de cultura anglo-saxônica.
Ou alguém ainda duvida?

ÁTILA FRANCUCCI, CCO DA JWT

Átila FrancucciFS: Átila, o Brasil tem diminuído a presença nos prêmios em filmes. O que tem faltado? Algumas pessoas falam em crise financeira, mas a Argentina, por exemplo, um mercado menor e que esteve numa crise pior, tem se destacado nesta categoria...
AF: Não acredito que sejam os problemas financeiros. O exemplo da Argentina, é perfeito para provar que grana não é a questão.
Vários fatores explicam este declínio. Os clientes, no geral, policiam mais o filme do que a mídia impressa. Um roteiro é um monte de letrinhas até virar um comercial, diferente de um lay-out que é apresentado quase pronto.
Ao não enxergar o filme, o cliente tenta se cercar de seguranças, daí as pesquisas e os testes. O grande problema é que esses instrumentos funcionam como "meritíssimos juízes" e não como "testemunhas". E nunca um animatic ou um story board serão iguais a um filme pronto.
Quem pilota a pesquisa tem que ver até que ponto o que está sendo dito ali é autêntico. Opiniões médias geram resultados médios.
Outro fator que influencia nossos filmes passa pela qualidade de produção. Temos bons diretores, mas a Argentina tem muito mais.
Lá ousa-se. O filme é mais cinema que propaganda. Os criativos são mais atuantes durante a filmagem, uma demanda gerada pelos próprios diretores. Eles preferem ter o criativo quase que co-dirigindo o comercial.
Outra coisa importante quando se compara Brasil e Argentina. Lá não existe a armadura dos 30 segundos e as variáveis de 15. O filme de 47
segundos vai para o ar com 47. Parece um pequeno detalhe mas faz muita diferença. Diferença conceitual: a mídia é comprada em funçao da idéia. O "já tenho meus 30 segundos comprados na Globo, preciso do filme" é substituído pelo "tenho um filme de 37 segundos, favor comprar mídia". É o impacto mais relevante que a frequência. E o orçamento do filme independente da porcentagem de investimento de mídia.
N.R.: Fabio, já que o Átila levantou essa bola, deixa eu fazer um registro histórico, para que a justiça seja feita: no início da década de 80, na Bahia, quando o jovem e ousado Duda Mendonça dirigia ele mesmo os comerciais de sua recém-fundada agência DM9, os filmes eram montados com o tempo que achava necessário para contar a história. As TVs baianas aceitavam sem problema. Até que a Globo resolveu botar ordem nos breaks nacionais e acabou com a farra. (Marcio Ehrlich)

Cannes, 19 de junho de 2005, domingo

AS NOVAS AVENTURAS DE UM PUBLICITÁRIO EM CANNES

Fabio Seidl em CannesCheguei à Cannes e me instalei no meu "hotel", o Le Carandiru.
Na verdade, o nome é Chanteclair, Janete Clair, Jacques LeClair, algo assim, mas é que meu quarto é uma cela. A janela dá até para um pátio de concreto onde o pessoal pega sol!
Não tem ar condicionado, nem ventilador, mas pelo menos tem aquecimento a gás. Pode ser muito útil se a temperatura baixar dos 40 para os 10 graus.
Não deixem nunca para marcar hotel de última hora aqui. Se eu soubesse que ia ficar num presídio, tinha roubado alguma coisa antes, pelo menos economizava as diárias.
Deixei as malas, assinei minha liberdade condicional e fui logo ao Palais me credenciar.

PAPEL? QUAL PAPEL?

Crachá Press AQuem me conhece sabe que eu sou péssimo com papéis. Se vocês um dia precisarem perder um papel, papel-moeda inclusive, é só me entregar. Não era essa a idéia do Marcio Ehrlich, mas eu perdi o papel que ele mandou com a minha inscrição.
Então a recepcionista do festival teve que checar meus dados com a chefe, que, quando chegou:
"Ei, eu lembro de você. É do Brasil. Esteve aqui no ano passado, right?."
Eu nunca tinha visto a mulher mais gorda, mas nessas horas:
"Depende, isso é bom ou ruim?"
Silêncio. Ela começa a rir, o que me deixou mais na dúvida ainda. Olhou rapidamente o meu documento e leu alguma coisa na tela.
"Isso mesmo: Janela Publicitária... Fabio..."
Fui tirar a foto para a credencial e fiz uma careta.
"É isso, você é o que faz careta nas fotos!"
Sim, surreal, fiz isso ano passado e a mulher lembrou.
Estava indo embora mas, burro, fui fazer mais uma pergunta.
"Essa credencial Press A dá direito ao quê?"
Pobre é fogo, ganha um crachá e acha logo que ficou importante.
"Você quer o quê?"
"Ah, sei lá, tirar fotos sem o segurança vir atrás de mim."
"Hmmm, você é Press A? Me dá aqui a sua credencial."
Quando a dona volta. "Ok, você vai ser Press C e pode tirar umas fotos das cerimônias, mas só por um tempo. Depois tem que ir embora."
"Pensando bem, acho melhor ficar com a 'A'."
Acho que ela se arrependeu de ter dado a tal "A". Mas eu juro, tirando a careta, não fiz nada para ninguém se lembrar assim de mim. Não que eu lembre. Pensando bem, por que será que eu fui parar no Carandiru?

EXPOSIÇÃO AO AR LIVRE

Exposição de FotosO banco de imagem Getty levou um pouco do festival para a rua. A idéia, bem bacana, foi montar a exposição New Photographers 2006 em frente a entrada do Palais. Muito turista parou para ver os trabalhos. Entre os profissionais selecionados para a mostra está um carioca, Daniel Klajmic, com um trabalho para uma marca de cachaça.

ÁFRICA DANDO SHOW

Revista ÁfricaA revista da África, tão falada pela imprensa na semana passada não é o que dizem. É muito mais.
Fotos lindíssimas, bons anúncios e textos. Tudo assinado por nomes como JR Duran, Matinas Suzuki... Alto nível e bom gosto.
A peça apresenta, conceitua e vende todos (todos mesmo) os detalhes da agência e a lança para o mercado internacional como um posicionamento novo e diferenciado.
Santo da África Além da revista, a agência tem ainda um grande stand aqui do lado da Sala de Imprensa e uma faixa que está exatamente embaixo do painel principal da
fachada do Palais onde se lê: "Africa. The 3G Agency."
Provavelmente, faz menção a uma terceira geração de agências.
Agora, só uma curiosidade. Dá uma olhada na foto do Santo Antônio que está na revista e foi fotografado no escritório do Nizan. Parece com quem?

O REGRESSO DO INVESTIMENTO

Cannes voltou a atrair investidores e o festival tem este ano stands e uma estrutura como não tinha há muito tempo.
A tradicional bolsa distribuída pelos delegados veio tão recheada que o pessoal nem aguenta o peso, se livra do conteúdo dela já na área de credenciamento.
Foram 30 (me dei ao trabalho de contar) tipos diferentes de propaganda e brindes.
O mais interessante é um convite para um seminário da JWT sobre música na publicidade: vem num disco de vinil de verdade (um diferente para cada delegado).
Também em clima retrô, o banco de imagem Corbis ofereceu uma máquina de ver imagens em 3D para um concurso que vai dar um automóvel Mini.
A MSN tem outro concurso que vai dar uma mesa de sinuca. Tem de tudo.

FILMES (E PRAIA) ATÉ A NOITE.

Palais vazioO dia que abre o festival e normalmente é meio morto, teve uma programação hardcore. Foram exibidas 14 das 27 categorias de filme, das nove da manhã até às oito. Mas não tinha "ninga" assistindo.
É que domingão nunca foi dia de ficar vendo comercial. Nem no festival.
Sempre foi para o pessoal vir chegando, devagar, se instalando, ver uma coisa ou outra. Mas como as inscrições aumentaram.
Nem os delegados que já estavam na Côte D' Azur se animaram muito pra ficar o dia todo no Palais e foram aproveitar o clima de alto verão com sol até quase nove.
Alguns brasileiros deram aquela esticadinha de fim-de-semana em Paris, que ninguém é de ferro.
Do Rio, quem já está firme e forte por aqui é Marcinho Juniot e Rodolfo Sampaio, da Publicis, e claro, o nosso jurado de rádio, Lula Vieira, da VS.

A CORRERIA DOS YOUNGS

Diogo Mello e Ícaro DóriaSe o domingo foi devagar para o público, foi corrido para os Young Creatives. Depois de terem recebido o briefing às 18h de sábado, já com o Palais fechado, foram para o hotel pensar num anúncio e num banner para motivar analfabetos a voltarem para a escola. No domingo, a sala de computadores abriu às 8h, a peça tinha que estar pronta às 20h. É mais ou menos como os clientes pedem trabalhos no Brasil.
Talvez pela experiência com a pressão, o clima dos brasileiros era de tranquilidade. Na foto, o diretor de arte carioca Diogo Mello (ex-Script, atual BBDO Portugal), representante de Portugal, e o young e redator brasileiro Ícaro Dória (ex-FCB Portugal, atual Giovanni SP).

TUDO DE FORA

Sala dos YoungsDuas novidades ruins para os Youngs. Eles foram colocados em cabines abertas e próximas umas das outras, limitando a conversa e forçando-os a esconder o trabalho dos concorrentes o tempo todo.
Mais: as equipes dos 40 países estão numa espécie de aquário na entrada do Palais. Muita gente passa por ali e, imagino, deve quebrar a concentração.
Dava até para ver o monitor de alguns deles. Confira na foto como ficaram expostos os computadores da Noruega e da Polônia.

TÁ NA MODA

Moda na FrançaFalando em coisas de fora. Será que esta moda que rola aqui na França pega aí no Brasil?


VALEU, GALERA!

Apesar das melhorias no festival, a sala de imprensa continua com poucos computadores (cerca de uma dúzia).
Nos pontos de internet para quem traz o laptop, só dá para entrar quando um jornalista brasileiro camarada dá a vez. Por isso, fica difícil passar o tempo que eu gostaria na internet mandando notícias e respondendo os emails do pessoal que tem escrito.
Vou agradecendo por aqui então: valeu Fabio Marinho da OPM, Caveira da Agência3, Shirlei da Capitão Musical, Fátima Megale, a turma do "Enlarge Your Penis Now", "Hot Teen Virgins XXX", "Better than Viagra" e tantos outros.
Vocês são muito simpáticos. Obrigado pela força!

Cannes, 20 de junho de 2005, segunda-feira

MEXICOZINHO PRA CIMA DOS BRASILEIROS

Fabio entre mexicanosUma chuvinha chata caiu ontem em Cannes, por volta das 19h acabando com a praia de muita gente. Mas não esfriou o ânimo da brasileirada para ver Brasil X México pela Copa das Confederações. Infelizmente, tomamos de 1 x0.
Pior do que o futebol da seleção só a idéia que eu tive de marcar com um pessoal de ver o jogo no Café Roma, em frente ao Palais. Como dá pra ver na foto (em que estou cercado!), só dava mexicano.
Quem me salvou foi o grande Accioly, da Academia de Filmes, que tinha armado com outra galera no bar Cristal perto do Pelô (a ladeira dos restaurantes em Cannes), onde fui ver o segundo tempo.
Lá o nível estava mais chique. Ao invés de mexicanos, eram os franceses torcendo contra o Brasil.
Accioly, Carlos Renato e WaitemanApesar da derrota, valeu pro pessoal se encontrar, bater papo e tomar uma cervejinha, que dizem que estava só geladíssima graças a proximidade do pé-frio do Accioly (tô brincando, Acci).
Na foto, a torcida brasileira de Norte a Sul: Accioly (Academia-RJ /SP), Carlos Renato (Arcos-PE) e Flavio Waiteman (Master -PR)

MÃOS AO ALTO

O pessoal está reclamando, e com razão, dos preços das coisas em Cannes. Até quem esteve nos últimos festivais, sentiu o aumento. Como o país não tem inflação, a conclusão é uma só, os franceses estão metendo a faca.
Uma águinha na croissete chega a custar 3 Euros (quase R$ 10). Um lanche no McDonald's, mais caro do que em boa parte da Europa, 6 Euros (cerca de 20 minguelos). Um almoço econômico, uns 13 Euros (40 biro-biros). Um jantar para valer não queira nem saber.

N.R.: Uma água, 3 Euros. Um lanche, 6 Euros. Inscrição no Festival, 2093 Euros. Estar em Cannes como Press A, não tem preço. (M.E.)

HOJE A FESTA É DOS HOLANDESES

Ônibus da HolandaA afamada festa dos Dutch Young Dogs acontece hoje no seu bat-local de sempre, o bar D'Okey, na praia do mesmo nome.
A turma dos Países Baixos, que todos os anos vem de lá até aqui neste super ônibus (imagina a zueira que não rola nesse busão) tem como tema este ano "Refresh".
O evento é conhecido por, além de abrir a série de festas da semana, ser a mais informal de todas.

PRESS & OUTDOOR: BRASIL PASSA OS 130 FINALISTAS

Marcio JuniotA expectativa não era muito otimista mas o Brasil chegou a 133 peças selecionadas para o short list de Press&Outdoor, com uma contribuição avassaladora da Almap BBDO.
Duas agências do Rio estão entre as finalistas: A Giovanni e a Publicis.
"Opção", da Publicis Salles NortonA Publicis, para alegria do redator Marcio Juniot (foto à esquerda), colocou uma campanha (3 peças) para a Opção, que faz um paralelo sobre quanto custaria a produção de uma super foto e quanto ela realmente custa no banco de imagem (foto à direita).
A Giovanni traz uma peça com título muito bacana para o Club Med. Sobre uma bela foto de uma praia, diz: "Você tira férias porque é filho de Deus. Aqui você fica achando que é filho único." Perdoe o pessoal da agência se a minha tradução não ajudou.
Há também uma peça para uma clínica ortopédica carioca (Rio Orthopedic Center) em que um boneco de Voodoo todo espetado está totalmente relaxado. Mas na lista oficial, a idéia está creditada para a Giovanni SP.

Club Med, pela Giovanni FCB

GP DE PRESS PODERIA IR PARA PORTUGAL

O nível do short list está excelente. Mesmo assim, muita gente (e não só brasileiros e portugueses) está comentando que o GP de mídia impressa poderia ir para "Bandeiras", campanha da FCB Portugal para a revista Grande Reportagem.
Falei sobre ela na Janela Internacional passada . Vem de premiações como Grand Prix no Clube dos Criativos de Portugal, FIAP e Clio.

MAIS BRASIL

Três trabalhos portugueses no short list têm brasileiros na ficha técnica: além de "Bandeiras" que conta com o redator Ícaro Dória (atual Giovanni SP), a campanha da Revista da Playstation, também da FCB tem na ficha o paulista Daniel Prado (atual Y&R Brasil).
Um anúncio da Leo para Ketchup picante Heinz tem o diretor de arte carioca Tico Moraes (atual Grey Lisboa) e a direção criativa de Alexandre Okada (atual Leo Burnett Latin America).

DOWNLOADS

A Janela preparou os shortlists do Press & Outdor em formato DOC, por ordem de país e agência. Faça aqui o download: Press Short List e Outdoor Short List.

Cannes, 20 de junho de 2005, segunda-feira (II)

FILMES: GP PODE ESTAR NAS SESSÕES DE HOJE

Comecei bem a análise de hoje: um titulo sensacionalista. Saco, agora preciso embasar isso.
Desde 2000, quando a campanha "Wassup" da Budweiser chegou aqui como favorita antes mesmo de ser exibida, deu para perceber que o festival estava mudado.
"Grrrr", da Wieden+KennedyCom a internet e o fácil acesso às Archives. Shots e anuários da vida, várias peças já chegam aqui em clima de já ganhou. Nem sempre, claro, levam, mas.
Pelo que tenho ouvido, os delegados brasileiros apostam que o vencedor está entre dois filmes de carros e um de tênis.
Logo, os mais fortes candidatos ao "caneco" (não foi trocadilho, saiu sem querer) estão sendo exibidos hoje.
Que fique claro que esta minha opinião, como todas as minhas outras, é completamente precipitada e irresponsável. Eu nunca acerto palpites e nunca ganhei nem rifa de quermesse. O fato de eu nunca ter ido a uma quermesse contribuiu um pouco para esta situação, devo admitir.
Mas vamos lá.
Um dos favoritos é o filme "GRRRR" da Wieden+Kennedy britânica para a nova linha de motores a diesel da Honda. Tem uma animação lisérgica, uma música assoviada que gruda nos ouvidos e um conceito interessante: "Odeie alguma coisa, mude alguma coisa."
Só uma contextualização, na Europa, os carros a diesel sofrem dos mesmos preconceitos dos carros a álcool, no Brasil. Então essa é como uma campanha para vender os carros com motor Flex aí. Ou não, sei lá.
"Singin in the Rain", da DDB LondresÉ a chance da W+K e a Honda tirarem a reca de quem era favorito a levar o GP em 2003 com o famoso "Cog" (engrenagem) e perdeu para o ótimo filme da luminária triste da Ikea.
O outro candidato é o "Singin in The Rain Remix" da DDB Londres para o novo VW Golf. Parece o filme de Fred Astaire, mas o ator (e às vezes um dublê computadorizado), começam a mudar a coreografia de acordo com a música, que ganha um ar techno. O conceito é algo como "o clássico renovado".
Seria o bi de um Grand Prix para a DDB e para a Volks, em 2004 eles levaram em mídia impressa.

MAIS DE CINCO HORAS DE FILMES DE CARROS

Citroen C4Também está entre os carros a categoria mais longa do festival: 5h15 de comerciais. É quase tanto tempo, por exemplo, quanto a sessão dos short lists.
O que chama atenção nos filmes que saem do feijão com arroz tem sido principalmente a inovação nas técnicas cinematográficas. Um filme inglês para o Citroen C4, por exemplo, traz um carro que se transforma num robô, no estilo do desenho animado Transformers. Assina "vivo e com tecnologia".
Springer & Jacoby para MercedesOutro para os conversíveis da Mercedes, da alemã Springer & Jacoby mostra ondas sonoras formando cenários típicos de verão num fundo branco. Diz para o espectador "escutar o verão".

ALÉM DOS MOTORES

O terceiro "preferido antecipado" do festival é "Hello Tomorrow", da Adidas. Um filme bem difícil de explicar: é um "sonho filmado" assinado pelo genial diretor Spike Jonze (Adaptação e Quero Ser John Malkovich) para vender o primeiro tênis inteligente do mundo e o lema "Impossible is Nothing". Foi criado pela 180 Amsterdam e causou muita estranheza quando começou a ser exibido na Europa.
Aponta uma direção e uma liguagem diferente na publicidade, sobretudo na categoria dele, viciada em atletas famosos fazendo truques.
Mas ainda é cedo. Ainda vem aí os filmes da Playstation, Ikea, Nike, Budweiser. até Rexona este ano tem uma mega produção chamada "Stunt City".
E depende se o júri vai querer apontar uma tendência, uma atitude ou simplesmente uma grande idéia. Vamos ver.

AUTO-CRÍTICA

Meus comentários estão me lembrando um episódio que eu vi com o João Saldanha na TV. Eu era moleque, mas era fã do Saldanha. Ele, assim como o Gerson Canhota hoje em dia, não estava nem aí.
Era um campeonato qualquer e o jornal da Manchete (!!!!) anunciou no primeiro bloco:
"Não perca nesta edição, a análise dos finalistas do campeonato com ele que sabe tudo de bola, João Saldanha."
E eu lá, esperando, o que será que o Saldanha vai dizer, será que o Vasco tem chance?
Segundo bloco e antes do intervalo..."Não saia daí, daqui a pouco, temos João Saldanha falando tudo sobre a fase decisiva do futebol".
E eu, obediente, não saí. Mas ainda não foi naquele bloco. Saco. Só no finalzinho do jornal entra o Saldanha. O apresentador pergunta:
"Saldanha, semi-finais do campeonato, e agora?"
O Saldanha espalma as duas mãos, faz uns números com os dedos e diz:
"Bem...eram oito..agora...ficaram quatro. Vamos ver no que é que dá."
Cruzou os braços e não disse mais nada. Sensacional.

VEJA OS FILMES COMENTADOS DE HOJE NESTES LINKS:

Citroen C4, Transformers, Euro RSCG (GBR)
http://www.youtube.com/watch?v=4dilUbkP-PI

Mercedes Benz, Sound of Summer, Springer & Jacoby (ALE)
http://www.youtube.com/watch?v=3HG7jrvmSSw

VW Golf, Singin in the Rain, DDB London
http://www.youtube.com/watch?v=_hj86TnXpgE

Honda, GRRRR, W+K UK
http://www.youtube.com/watch?v=axlacvKWHhA

Adidas, Dream, 180 Amsterdam c/ Spike Jonze
http://george.proteinos.com/temp/adidas-1.mov

Cannes, 21 de junho de 2005, terça-feira

PRIMEIRO, O QUE NÃO INTERESSA.

A tal festa dos holandeses ontem foi bem "mazomeno".
Provavelmente porque o evento que antes oferecia o chopp mais barato de Cannes subiu o preço do copinho de 2 para 4 Euros.
Então, com o pessoal menos empolgado, não rolou nada demais. O máximo de emoção foram uns malucos que pegaram umas arminhas de água para molhar o pessoal. E aí o que aconteceu? Um figura que provavelmente teve acesso a outros produtos provenientes da Holanda ficou chateado em levar uma esguinchada nas costas (qualquer homem ficaria) e, num ataque de farofeiro, começou a jogar areia em quem o atacou.
Os poucos brasileiros que estavam por lá ainda tentaram gritar "É arrastão!!!" para a coisa ficar animada, mas nem isso. Um segurança foi lá e resolveu.
No mais, nenhuma sueca mergulhando no mar de lingerie e nada de danças ousadas de norueguesas libidinosas. Tudo muito comportado.
Aliás, um alento para as mulheres que tem seus cônjuges em Cannes. Fiquem sossegadas. Isso aqui é o maior zero a zero até para os solteiros e
guerreiros. Depois, 90% do público aqui é masculino. E ainda por cima, convenhamos, os maridos de vocês são feios pra caceta.

METE BALA

Carro da Holanda Idéia muito legal a da produtora de som Massive Media, da Holanda, que foi "veiculada" (com trocadilho) na porta da festa dos Youngs Holandeses ontem, para divulgar a festa da empresa, na próxima quarta.
Pegaram um BMW, encheram de furos de bala (tudo de verdade) e adesivaram o título: "Nossos vizinhos reclamam sempre."
Acho que já vi algo parecido em frente a um buraco quente aí no Rio. Mas tinha um cara morto de verdade dentro e não tenho certeza se era para divulgar uma festa.

CADÊ OS CARIOCAS?

O festival está lotado, mas a delegação do Rio está miudinha, miudinha.
Ontem fui ao bar do Martinez, o point antes e depois da noite, para ver se encontrava o pessoal e.nada. Só encontrei o Luiz Nogueira, da McCann, batendo um papo com o Fernando Campos, da Giovanni SP. Eles também tinham visto pouca gente.
O Martinez estava fraco. Mas, também, cobram 9 Euros por uma Heineken.
Imagina quanto não cobram por uma cerveja! Pronto, fiz amigos na Heineken, que é "só" a cerveja mais vendida da Europa.
O bar da frente, mais badalado, estava mais barato: "apenas" 7 Euros. Mas deixa eu voltar ao assunto, porque isso aqui tá parecendo um canal Bloomberg
de bêbado.
Sei que está por aqui uma turma da CGCom, o Pedro Éboli da Contemporânea,o Adilson e a Cristina, da Giovanni e o Accioly da Academia.
Mas o Accioly está em todos os lugares. E agitando, o que é bom. Acabou de passar aqui e convidar todo mundo para tomar caipirinha no stad da Film
Brazil. E já está divulgando uma festa brasileira amanhã.
Então, ô pessoal do dinheiro nas agências, vamos dar uma força pro que vocês tem de mais importante.
Isso aqui é um investimento muito bacana no profissional. Um intercâmbio e uma grande motivação.
Vamos apoiar os Young Creatives aí pra mandar mais gente.
Produtoras e parceiros, não rola reeditar aquela Promoção Vai Pra Cannes?
Vou fazer propaganda aqui, porque merecem: ano passado, a Proview, a Zuêra, o Mauro Risch e o Studio Alfa mandaram DEZ publicitários para cá.
Senão vier mais ninguém, eu também perco a minha boquinha de imprensa.

ISTO É TREMENDO.

TremendoNo ano passado, a Fênetre descobriu que na comitiva dos Youngs brasileiros estava um ex-Big Brother, o Edu (acho que era isso), vindo de Minas Gerais.
Agora, dizem por aí que um criativo argentino teria feito parte do TREMENDO. Eu acho que é mentira.
O Tremendo, para quem não lembra (todo mundo) era um Menudo falsificado, surgido no rastro do Dominó (companheiro, companheiro veeeeem).
O único sucesso dos muchachos dançarinos foi "Isto é Tremendo" (Todos batendo palmas..), cantado em portunhol.
O criativo em questão é redator e usava o nome artístico de Marito. Mas é tudo que tenho para dizer até agora.
Isso e que, do jeito que vão as coisas, teremos em breve, como presidente do júri de Cannes, o Juninho Bill. Não seria nenhuma surpresa, já que como todos sabem, o Juninho é Fera, Fera Neném.

FESTA OFICIAL É HOJE. A DA MÚSICA TAMBÉM.

A noite desta terça deve ser a mais movimentada do Festival. A gala oficial do evento, que normalmente era na quarta foi antecipada para hoje, logo após a entrega dos Media Lions e do Direct Lions.
Isso se até o final do dia a organização não inventar mais nenhuma categoria para o festival: um Informe Publicitário Lions, Filipeta Lions, sei lá. Toda hora tem uma categoria nova aqui.
Vai coincidir com a Festa da Música, que acontece na França toda para comemorar o primeiro dia do verão.
Além de shows promovidos pelas prefeituras locais, as pessoas que tocam instrumentos costumam ir para as ruas e os bares colocam músicos e DJs para animar a galera.
Depois eu conto aqui como foi.



GP PRESS: E AS PREVISÕES DA FÊNETRE, HEIN?

O que era previsto aconteceu: as minhas previsões estavam erradas. Embora o resultado oficial só saia amanhã, a informação que chegou aqui na de imprensa aponta a campanha contra pirataria da TBWA Paris para a EMI como a vencedora do GP Press & Poster.
A portuguesa "Bandeiras", da FCB para revista Grande Reportagem, apontada ontem aqui como melzinho na chupeta para levar o GP, ficou com ouro e a poucos votos do prêmio máximo.
Os layouts da campanha francesa são legais, mas sei lá, achei pouco para o GP de um ano com um short list tão forte.
Os anúncios mostram ilustrações que remetem ao males que a pirataria pode fazer com alguns artistas. Veja as fotos.
Se os amigos me permitem uma pequena opinião. A campanha traz:
- Joe Cocker, que morreu e esqueceram de avisar.
- Keith Richards, dos megamilionários Rolling Stones.
- Sex Pistols e Iggy Pop, punks que só ficaram conhecidos graças a muita fita e rádio pirata.
E o target? A molecada que compra pirata e faz download sabe quem é Joe Cocker? Nem o Joe Cocker sabe mais quem ele é!
Só para causar mais polêmica, que senão ninguém lê mais isso aqui: o Marcio Ehrlich, na base aí no Brasil, informa que não consta no site da TBWA\Paris que a EMI seja cliente da agência.
De qualquer maneira, é o bi da TBWA\Paris, que já levou o GP de press para Playstation em 2003. E no ano passado, outra TBWA, a de Londres levou o GP de filmes em 2004, o que reafirma a força do grupo.
Justiça seja feita: a agência parisiense trouxe um trabalho excelente que está impressionando sobretudo os diretores de arte pela alta qualidade técnica.

ALGUÉM AÍ VIU O GP DE OUTDOOR?

Em Outdoor, se nada acontecer, quem vai levar é uma peça da Ogilvy chilena para a Lego que, dizem, nem a mãe dos criativos viu veiculada lá em Santiago.
Vocês também não vão ver: na hora que eu ia tirar a foto, a bateria da câmera acabou. Mas são umas peças de Lego no meio da fachada de um prédio.
Eu fiquei achando que tinha coisa mais inovadora.
Outdoor da Time Tem um de revista Time, por exemplo, que é fantástico e eu tenho imagem. É um pêndulo com a famosa moldura da revista balançando entre as fotos de Bush e Kerry para vender a cobertura das eleições.
Se o Marcio Ehrlich não roubar a imagem chilena de outro veículo, acessem um site qualquer aí para ver. Dica? Quando eu quero saber alguma coisa aqui eu pergunto pra Laís do CCSP ou pro pessoal do Prop&Mark.

GP de Outdoor: Ogilvy Santiago para LegoN.R.: Fabio, como praticamente tudo o que tem ganhado em Cannes é fantasma e criado especialmente para o festival, está ficando muito difícil fazer essas pesquisas em sites oficiais, como os das agências que assinam as peças. Vê se anda com pilha de reserva para essa máquina, cacete! Ou vou ter que contratar o Marcelo Lobo como fotógrafo no ano que vem? (ME)

NÚMEROS

Resumo da ópera do P&O: o Brasil deve ficar com 12 leões em P&O e não deu pro Rio. Cerca de 10% do número de peças finalistas (133), mais ou menos 20% se contarmos as campanhas (66). É um bom número.
Se forem confirmadas as informações que rolam por aqui, são estes os brasileiros premiados:
Ouro
- "Stuart/John/Morell", da JWT para Kleenex (imagem à esquerda.
- "Janela", da Publicis Salles Norton para Vick.

Prata
- "A Princesa/A Estrela/O violão", da AlmapBBDO para Let's Talk.
- "Traves", da NeogamaBBH para Umbro.
- "Che/Caveira/Tio Sam", da Publicis Salles Norton para Wickbold.
Bronze
- "Casais", da AlmapBBDO para Volkswagen.
- "Causa da Cegueira", da AlmapBBDO para a Fundação Eye Care.
- "Lama", da AlmapBBDO para Touareg.
- "Pés/Futebol", da Duda para ESPN.
- "Macaco", da Fabra Quinteiro para o treinador Gilberto Miranda.
- "Garota/Mulher/Bebê", da JWT para Alcoólicos Anônimos.
- "Cargo", da Leo Burnett para Fiat Ducato.

 

OBRIGADO!

Ricardo Chester (DM9DDB), Ricardinho Weissman (VS), Marcelo Lobo (Agência3, o Marcio Ehrlich estava com saudade de você), Deko Schmidt (TGD filmes), Vasco Condessa (FCB Portugal) e todo mundo que tem escrito e incentivado a coluna (na verdade, o Deko só me xingou). Vocês são uns malucos.

Cannes, 21 de junho de 2005, sexta-feira (II)

JULGAMENTO PODE ATRASAR POR PROBLEMAS TÉCNICOS.

Devido à baixa qualidade com que os filmes estão sendo passados, já comentado aqui na Janela (Francucci acusa Antel...), parece que há uma manobra nos bastidores para que vários deles sejam apresentados de novo.
Seria um precedente histórico e que poderia atrasar todo o julgamento, mas a proposta deve ser levada à organização. Caberia ao júri decidir se é necessário e a organização se é possível fazer isto sem estourar o prazo final do festival. Acho difícil que passe, a cerimônia de premiação é amanha.
Não são só os filmes brasileiros que estão ruins. Nas salas de exibição, vários passam com a imagem pixelizada e som desnivelado. Um descuido que não poderia acontecer em um festival que cobra caríssimo pela inscrição das pecas e pelo acesso dos delegados.
Se todo mundo começar a reclamar, não sei não. Mas é justo.
Também já ouvi que os japoneses, da mesma forma, querem passar seus filmes de novo, mas por outro motivo. Como parece que ninguém entende os comerciais deles, querem explicar as piadas uma por uma, com direito a um intérprete e a fazer desenhos num quadro negro.

Cannes, 22 de junho de 2005, quarta-feira

CANNES BOMBOU

Festa da MúsicaO festival chegou ao ponto alto ontem com a noite que misturou as duas festas oficiais do festival: gala de abertura e youngs, e a festa nacional da música.
Esta última bombou. A polícia apareceu com bombas de gás lacrimogênio em uma performance de DJs na rua Commandant André, entre o Palais e o Hilton.
Segundo testemunhas, o som estava muito alto, as pessoas também e quando um carro da polícia resolveu passar por ali ninguém deu passagem. Os meliantes desrespeitaram verbalmente diversos parentes das autoridades. Mas foi só uma bombinha, um chorinho e depois o pé na jaca pôde voltar a transcorrer na maior normalidade. Festa de Gala

 

ESTA QUARTA TEM MAIS FESTA DOS BRASILEIROS

Aliás, hoje à noite, logo depois da cerimônia de entrega dos Leões de Press, Outdoor, Cyber e...eu devo estar esquecendo alguma categoria, enfim, a Film Brazil vai oferecer uma festa para os brasileiros e não só na base que eles montaram em frente ao Palais.
O pool de produtoras divulga (e muito bem) as vantagens de se produzir comerciais no Brasil. A idéia tem dados bons frutos. São vários os filmes inscritos em Cannes rodados ou co-produzidos no país.

A FESTA OFICIAL DE TERÇA-FEIRA

Rodolfo SampaioVoltando o papo para a festa de Gala de Abertura: ela, que costuma ser bem careta, surpreendeu.
Para vocês verem o que é a má fama: muita gente do Brasil nem foi. Algumas pessoas preferiram ir até outras cidades da Côte D' Azur e outras, como o Rodolfo Sampaio, diretor de criação da Publicis (foto à direita), preferiram dar uma volta e curtir os shows bacanas na rua.
Tico Moraes e a comilançaE eu achando que uma boca livre era o melhor lugar para encontrar os brasileiros. Só achei o diretor de arte Tico Moraes (foto à esquerda), que é do Rio, mas trabalha na Grey de Lisboa.
A nova organização do festival parece disposta a mostrar que as coisas mudaram mesmo. Se no Palais os filmes passam com péssima resolução, na festa na praia do Carlton eles não economizam mais na bebida. Deve ser para ter uma desculpa: "Não senhor, o filme está bom, deve ser a sua ressaca."
Tinha comida de todos os tipos e numa quantidade que dava para alimentar por um ano um pequeno país asiático, como a Índia, a China ou a antiga União Soviética. Juntos.
Gringos em cima da mesaO DJ, com a difícil missão de agradar, gregos, troianos e profissionais de mídia, foi bem. A festa terminou com os gringos dançando em cima da mesa.
Uma zona.

 

 

 

A FESTA DOS YOUNGS

YoungsFinalmente eu vi o que quer dizer ser o detentor de uma credencial de Press A. Cheguei na festa dos Youngs, para a qual só podem entrar os Youngs e mandei logo uma carteirada.
"Só com convite senhor."
"Ora, meu amigo, mas eu sou Press A."
"A? A...hahahahahahahah."
Nada feito, embora outras pessoas tenham entrado até com carteirinhas do Clube do Mickey.
Encontrei os youngs brasileiros na saída. Não foi difícil, bastou seguir as músicas que eles cantavam sem parar. Isso e a pequena multidão que se juntou em volta para vê-los encorajando turistas, no meio da rua, a dançarem clássicos do folclore brasileiro como "A Dança do Maxixe", "Na Boquinha da Garrafa" e o clássico maior "E o Sílvio Santos Lá?"
Mais tarde, troquei uma idéia com o Rodrigo Burdman (F/Nazca Rio) e o Rodrigo Tórtima (também carioca, mas hoje na Loducca22 em SP). A delegação brasileira dos Youngs formou uma turma boa. E a mais empolgada.
Na boquinha da garrafaPara quem foi ao Martinez o papo foi até o sol raiar. Ou melhor, até o caminhão de limpeza passar varrendo e jogando água em todo mundo.
Cannes acordou mais tarde. Pelo menos quem não estava no Hotel Le Carandiru como eu. Do meu quarto/cubículo que parece uma cela de solitária na cadeia (feio, escuro, sem ar condicionado, ventilador e nem direito a visita íntima), fui acordado por uma máquina bizarra. Acho que estavam torturando algum detento.
Pensando bem, melhor eu parar de reclamar.

Ê, RATA!

Como eu avisei desde o início, esta coluna não preza pelo compromisso com a credibilidade.
Na coluna do dia 20 eu tropecei feio e ninguém falou nada. Mas o leitor Mario Nascimento, da Grey Portugal, me pegou. Chamei o Gene Kelly do filme da VW de Fred Astaire. Não é nenhuma surpresa, depois de 6h vendo filmes, eu devia estar chamando até urubu de meu louro. Se o Marcio Ehrlich não corrigiu, continua lá.
"Urubu de meu louro", caro Mario, é uma expressão brasileira. Mas "Ê, Rata!", o headline desta matéria é um trocadilho português muito mal (no Brasil não tem o mesmo sentido), em sua homenagem. Obrigado.
Não ficamos por aí: A parte 1 da coluna de ontem foi cortada pela metade. Entrou no ar depois e está lá (será que vocês leram)?
Também ontem, quando falamos sobre a decisão de passar alguns filmes brasileiros de novo para o júri, devido a baixa qualidade das cópias, a coluna disse que a cerimônia de Filmes seria hoje. Quis dizer que a decisão sobre o assunto sairia hoje. E saiu: tá rolando.
O pessoal no Brasil pode ficar tranquilo. Átila Francucci e João Daniel, os jurados de filme, estão defendendo bem o país. E o bom senso.

N.R.: Pôxa, Fábio, eu não consertei você chamar o Gene Kelly de Fred Astaire porque achei que era mais um de seus lances de humor! Então foi cagada, mesmo? Mas tudo bem, a galera está gostando. A Fenêtre até já foi parar no Orkut, citada e muito elogiada pela comunidade Cannes, do Tadeu Vieira, em http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=546056 (para entrar precisa estar cadastrado no Orkut, ok?)

Cannes, 22 de junho de 2005, quarta-feira (II)

UMA VOLTA PELOS FINALISTAS DE PRESS&POSTER

Antes do resultado oficial dos Leões, fui andando pela mostra das peças e tirando umas fotos. Não tive a menor preocupação de selecionar os melhores, nada disso. Muita coisa boa deve ter ficado de fora. Mas foi só para mostrar um pouco do que rolou aqui para vocês. Dêem uma olhada:

McCann Singapura para Xbox. : "Humanos são os melhores briquedos" diz a peça, que traz pessoas articuladas como bonecos.
Bates Singapura para o celular/game Ngage: "Desafie qualquer um em qualquer lugar."
Ogilvy Chile contra a Violência Doméstica. Cartazes clássicos de boxe anunciam lutas do pai contra a filha, a mulher. Bronze em press e em outdoor.
Prata da Delcampo Nazca S&S Argentina para Ariel. O velho antes e depois de uma forma inovadora e bem humorada. A camisa do antes nunca foi marrom.
DDB Londres para a rede de moda Harvey Nichols: um calendário mostra que a pessoa comprou algo que queria muito e que com isso deixou de dar comida para o gato. A campanha ficou com ouro.
Euro Bangkok para o canal 11 News. A pessoa câmera. Levou Prata.
JWT Bangkok para as toalhas de papel Scottex. Remove a gordura das coisas.
Faixa de avião criado para os binóculos Zeiss: "Ei, você está com uma meleca no nariz."
Da DDB Londres, o Golf de gelo de verdade, colocado na rua para vender o ar condicionado de série.
Notícia em todos os jornais.
Para fechar, duas brasileiras que eu gostei muito, mas não levaram leões: Jail/Asylum da campanha da Veja sobre ver os dois lados da notícia (neste caso, o julgamento de Michael Jackson)...
e uma peça da campanha "um assunto leva a outro" da Super Interessante. As duas, da Almap.

TBWA PARIS ESTÁ SOBRANDO NA TURMA

Comentei aqui ontem que embora tenha gente que não concorde com o GP - o que é natural - é consenso a excelência da TBWA\Paris, Boulagne-Billancourt em mídia impressa.
Só para não causar confusão: existe outra TBWA em Paris, também chamada TBWA\ G1, que cuida só de Nissan e fica no centro da cidade. Boulogne é mais afastada...
Me lembro que há uns 5 ou 6 anos, a publicidade francesa era motivo de piada pela direção de arte muito exagerada até em função da principal mídia de Paris serem os enormes cartazes de metrô.
De lá para cá, eles ganharam 2 GPs e vários leões. Tirei algumas fotos do que estava exposto aqui. É até sacanagem com um trabalho que foi tão bem cuidado ser visto através das minhas imagens toscas, mas já dá uma pequena idéia.
Todas as fotos deles são muito bem feitas, os conceitos são redondinhos e a agência ainda se vale de ter como carro chefe um cliente como a Playstation.
Confira aí duas peças para PS2 que levaram Ouro, "Bela Adormecida" e "Cabeças", o anúncio "Mosh" para uma pomada contra queimaduras, "Meia" para um produto contra chulé e a lata d´água na cabeça substituída por uma esponja Spontex, que levou Prata.

MAIS GENTE NA FENÊTRE

"Fabinho, tu é veado, mas é gente boa."
"Não li teus textos, mas as fotos estão uma merda." (de um diretor de arte)
"E aqueles 50 mangos que você tá me devendo?"
São alguns dos emails simpáticos de gente que está interagindo com a coluna. Outros, mais educados, mandaram um abraço e uma força.
Caso dos redatores André Pedroso, Chiquinho Lucchini, Marcelo Coli e os diretores de arte William Silva e José Christão. Merci.

N.R.: O José Christão elogiou???? Não reclamou de nadinha, nadinha, Fabio? Então a Fenêtre deve estar ótima mesmo!!!!! (ME)

Cannes, 23 de junho de 2005, quinta-feira (I)

Cerimônia de PremiaçãoONDE TEM LEÃO, TEM ZEBRA

A cerimônia de entrega dos Leões de Press, Outdoor e Cyber, ontem, no Grand Auditorium do Palais trouxe algumas surpresas.
Muitos dos criativos reclamaram da premiação, argumentando que muita coisa que ganhou não merecia ou que havia coisa melhor que ficou de fora.
De fato, o critério pareceu que deu uma patinada, vendo assim de primeira e comparando com o bom short list.
Mas, enfim, esta é uma música que toca há muito tempo neste e em outros festivais.

N.R.: É uma velha máxima da publicidade: os júris só são justos quando a gente é jurado. (ME)

TEVE MICO TAMBÉM

O que não ficou de fora e também gerou reclamação foi a entrega do prêmio de Profissional de Mídia do Ano nesta cerimônia e não na dos Media Lions, anteontem.
Depois de um vídeo de apresentação bem sem graça da News Corp (dona da Fox, Sky etc) o Sr. Lachlan Murdoch, homenageado da noite, subiu ao palco e tirou do bolso um catálogo telefônico. Quer dizer, parecia, mas era só um discurso.
O homem falou, falou, e foi assoviado. Parte do auditório também aplaudia o "speech" antes do fim, igual a gente fazia na escola quando queria que alguém parasse de falar.

CYBER

A turma queria ver as idéias premiadas. E isso deu um pouco de volta com a insistência do formato de apresentação da categoria Cyber. Todos os vencedores são antecedidos por um comentário.
O brasileiro PJ Pereira, presidente do júri deste segmento, foi o mais informal e simpático possível.
Mas como estas comentários tem que ser muito curtos e as peças estão cada vez mais elaboradas e interativas, o público não consegue entender exatamente do que se trata.
Na verdade, a categoria já cresceu tanto que poderia "morar sozinha". Já merece uma cerimônia própria. Um ótimo nível para isso ela já tem.
Que o diga o Brasil, e em especial a DM9DDB, que passou o rodo e ganhou o prêmio de agência interativa do ano.
A equipe subiu ao palco com uma camisa com o número 9 e três estrelas. É a terceira vez que a DM9 é agência do ano, embora em categorias diferentes.
Não tinha visto as peças ainda e, de fato, o Brasil está muito bem. O GP para Super Bonder é muito bacana mesmo.

PRESS&OUTDOOR

Brasileiros na Film BrasilSe em Cyber só deu Brasil, em mídia impressa os brasileiros só subiram duas vezes ao palco. Três, contando o bronze em Young Creatives.
O trio de Youngs brasileiros aliás, talvez por uma falha de comunicação, não teve acesso ao palco. Só quem subiu foi o redator Ícaro Dória, que estava perto do palco para receber outro prêmio.
A peça dos brasileiros, para incentivar a volta ao estudo, trazia um bilhete te Loteria e o título: "Se você não é bom em escrever, tomara que seja bom com os números." (tradução minha, livre e tosca).
Bem melhor do que o 1o. lugar sueco que trazia uma previsível impressão digital e o texto: tinta é feita para escrever. Sei lá, eu já usei tinta para pintar, desenhar...
O destaque da noite foi mesmo a TBWA Paris, comentada na Fenêtre de ontem, que transformou em leão quase a totalidade dos seus muitos short lists.
O ponto fraco foi o tratamento dado aos bronzes. Se no ano passado já tinham deixado de mostrar as peças, este ano não mostraram nem um título, nem uma referência ao que se trata. Na tela aparece só o nome do produto, cliente e agência e o apresentador só diz o país que levou. É pouco.
A cerimônia está longa. Mas estão cortando a parte errada.
Mesmo assim, a delegação brasileira foi quase uma torcida de futebol no Palais. A cada peça premiada que aparecia no telão, era uma festa.
Eu me senti no Maracanã quando foi anunciada uma peça americana, da Fallon e a representante da agência era, como direi, uma coisa de maluco.
Foi aplaudida de pé (primeiro no Palais e depois na saída) por alguns gaiatos brasileiros. Gritos de "É Grand Prix!" para a moça ecoaram pelo auditório. A comédia foi tanta que o próprio presidente do Júri olhou para a turma do Brasil e deu uma risada. O mestre de cerimônias também acabou se perdendo. Só faltou a "ola" na arquibancada. Foi por pouco.

O DEPOIS

Depois da premiação, a galera se reuniu na casa da FilmBrazil (foto). Reparem no alto da foto, lado da camisa verde, que realmente os fantasmas vieram a Cannes. E ainda foram tomar uma cervejinha com a gente.
Depois, várias festas pela Croissete. Das que eu não tinha convite (todas) a melhor que eu não entrei foi a das produtoras holandesas Condor e Massive Music.
Transformaram a praia numa espécie de cadeia, com convites-algema, telões gigantes com câmeras de segurança e muito som. Literalmente cinematográfica, a produção.

FREE, FABIO SEIDL, FREE

Falando em cadeia, consegui meu alvará de soltura aqui no Le Carandiru, apelido do Chanteclair, o hotel temático que parece uma penitenciária de verdade.
Graças a grande força dos meus amigos da McCann Portugal, que não poderão vir a Cannes (lá a gente rala, tão pensando o quê), estou indo para o Sofitel Casino.
Obrigado não só a McCann mas também ao pessoal do Movimento pelos Direitos Humanos e aos meus amigos que enviaram bolos com limas para eu serrar as grades e fugir.

SIM, EU TAMBEM VEJO OS FILMES

Eu não vou só às festas. Tenho visto várias sessões do long list de filmes e as de ontem esavam especialmente cheias, com gente sentada no chão dos auditórios.
A saída das bebidas alcóolicas (a categoria, não os produtos de fato) virou point, por exemplo: Carlos Righi (TV Zero), Fernando Campos e a galera da Giovanni SP, Adílson Xavier e Cristina Amorim (Giovanni Rio) e Pedro Éboli da Contemporânea.
Também estavam por lá a turma da CGCom (Fernando Conde, Alessandro Monteiro e Marcos Pedrosa) e Mateus Pizão, da Ogilvy Rio.
Foi a oportunidade do pessoal se encontrar e trocar idéias sobre o que já tinham visto.

Cannes, 23 de junho de 2005, quinta-feira (II)

QUINTA COM VAZAMENTO EM CANNES

Quinta-feira e véspera de short list de filmes é que muita gente deve estar saturada. Então, é hora de vazar e dar uma volta outras cidades na Côte D'Azur. St. Tropez, Mônaco e Antibes são os destinos mais procurados. Mas há quem prefira lugares de duplo sentido como a "Rota da Mimosa" ou a alegre "Agay".
Eu, que também sou filho de Deus, vou pegar uma praiazinha. Por isso, o resto da coluna de hoje vai ser só encheção de linguiça.

CID MOREIRA NA FRANÇA

Ah, Mister M, este segredo nem você sabia. O Cid Moreira, que sempre tentou manter a credibilidade de jornalista aí no Brasil, se vendeu aqui na Europa. Vê se não é ele neste anúncio de aparelho de surdez encontrado numa vitrine por aqui.

 

AS FOTOS DOS JURADOS MAIS FIGURAS

Eu achei que o jurado de Press tinha mandado de onda essa foto de um rastafari fumando um cigarrinho. Mas não. É ele mesmo. Se você fosse policial federal num aeroporto, acreditaria que o homem é norueguês e se chama Torbjorn Kvien Madsen?
E o jurado de Marketing Direto da Índia, Kinjal Medh, lembra quem?

PAÍS DE QUÊ?

Falando em escândalos políticos, é curiosa esta marca que divulga o tal ano do Brasil na França em eventos públicos. A foto é de um mobiliário urbano sobre um simpósio de água.
O outro sentido que "País de Honra" pode ter nada tem a ver, claro, com o atual contexto conturbado do país.
Aliás, sobre este ano do Brasil na França, conversei com um compadre que mora em Paris e ele disse que isso é o maior caô. Que tudo que anunciaram até agora são umas exposiçõezinhas e uns shows do Gil, Lenine, Ivete ou seja, a mesma turma que está por aqui todos os anos.
De repente, quando chegar o verão, o tal ano do Brasil começa. Mas aí não seria o ano do Brasil, que só começa depois do verão e do carnaval.

N.R.: Fabio, não provoca, porque do jeito que a coisa está, vai ter quem queira criar uma CPI da França. (ME)

PARA TERMINAR
Gostaria de dizer a coluna de hoje estava tão sarapa que até uma conversa de compadre foi publicada aí em cima.
Amanhã, depois do short list, eu volto com - espero - menos embromação.

NINGUÉM TEM JOB?

Prezados donos de agências,
Esta é a lista dos cidadãos que só podem estar sem job na mesa porque ficam lendo a Fenêtre. Eu sei porque me mandaram email contando que estão fazendo isso e se divertindo. Pode se divertir no trabalho? Duvido que seja para isso vocês paguem aqueles altos salários:
Pedro Prado (F/Nazca), Bruno Richter (OPM), Leo Pitanga (MG), Marco Martins (Agência3), Walter Lencina (OMG), Andre Debevc (que está na CGCOM supostamente fazendo o trabalho dos caras da agência que estão aqui se divertindo), Alexandre Chrispim (estudante, que deveria estar estudando), o grande Carlos Negreiros (professor da PUC que, por sua vez, deveria estar dando aula), além de outros reincidentes que já foram citados aqui em outras edições.
Da parte que me toca, agradeço muitíssimo. A eles e ao Tadeu Vieira, que elogiou a Fenêtre na comunidade do Orkut. Tadeu, eu só ainda não entrei no seu Orkut, com todo o respeito, porque não sou cadastrado. Mas farei isso em breve.

24 de junho de 2005, sexta-feira

FÊNÊTRE DANDO (OPA!) ERRADO

A coluna de hoje só saiu graças ao meu ex-dupla e grande amigo Alessandro Monteiro.
Isso porque o short list, que começou às 9h, terminou quase às 18h, hora de fechar a sala de imprensa.
Então tive que vir até o business center do Embassy, hotel dele e de vários outros brasileiros, para escrever e enviar estas parcas palavras.
Obrigado, cara. Eu ia colocar uma foto sua para te homenagear aqui, mas como não tenho e acho você muito feio, vou colocar uma que acabei de receber. São umas moças que estavam ontem na praia em Corniche D'Or, por onde a gente também passou.

A OPINIÃO DE CADA UM

Recebi emails e pedidos aqui para que eu dizer se achei que peças brasileiras seriam parecidas com outras que já foram feitas no passado, ou que teriam sido criadas só para o festival, fantasmas etc.
Vocês estão me levando a sério demais. Não vou fazer isso aqui. Faço isso num bar, batendo papo, com meus amigos.
Sou redator, não jornalista. Nem tenho como ficar apurando essas coisas. Mal consigo mandar um email aqui!
Depois, não usaria este espaço para ficar julgando a ética dos meus colegas de profissão aí no Brasil. Seria covarde, irresponsável e pouco profissional.
Mas tenho um ponto. Fazer peças para festival, com o consentimento do cliente que seja e veicular numa mídia pouco conhecida, concordem ou não, está dentro das regras do jogo.
Tem gente que acha que não tem problema nenhum em ter esta postura, tem gente que acha que a nossa classe e os festivais ganhariam com mais seriedade e rigor.
Eu acho é que existe um júri e uma organização para analisar estes casos.
Mas posso propor o contrário. Vocês falam. Vamos entupir a caixa postal do Marcio Ehrlich: janela@janela.com.br
Dêem a opinião de vocês que ele publica. Mas nada de pseudônimos, ok?

N.R.: Fabio, nesse round eu já joguei a toalha. Cannes é um festival de fantasmas e ponto final. Tem que assumir. E quer ver como é engraçado? Daqui pra baixo você vai contar como são todos os filmes brasileiros finalistas, não é? Por que você achou que precisava? :))

O LONGO SHORT LIST

Projeção na Salle DebussyEstou com a bunda quadrada. Foram mais de 8 horas de filmes. A maioria muito ruim. Não tive saco para o Titanium Lions, que seriam mais algumas horas de powerpoints com cases. Na hora dos Radio Lions, eu não estava mais entendendo nada.
Depois deste massacre fiquei com a sensação de que o critério poderia ter sido mais rigoroso.
Se eu já fiquei cansado com o Short, imagino os jurados que antes do short viram um "Medium List" com mais de 650 filmes.
Na palestra da JWT sobre música nos filmes, quarta-feira, teve uma frase muito boa: "a primeira coisa que a gente tem que se preocupar é se o filme está chato ou interessante para quem está assistindo."
O short list de Cannes teve muito filme chato. Terminava e as pessoas não riam, não se emocionavam, nada. Muito assovio e poucas palmas.
O problema dos filmes com cópias pixelizadas continuou. Não com os brasileiros que tomaram uma atitude, mas com os outros. Inclusive agências grandes, americanas.
Mas acho também que ainda há salvação, pode ser que na hora dos leões, o jogo vire.
Chega de ser negativo. Vou falar dos filmes brasileiros e do que tinha de interessante e divertido nas principais categorias.

BEBIDAS ALCÓOLICAS

A DDB Chicago deve pegar, mais uma vez, leões com Budweiser.
Nada que supere as antigas campanhas "Real Men of Genius" ou "Wassup", mas continuam com idéias novas e grandes piadas.

NÃO ALCÓOLICAS

Os dois filmes do Brasil, da campanha Surf feita pela Almap para a Pepsi, foram bem aplaudidos.
Tem como como concorrentes a Coca-Cola, com Rivais (Argentina) e um espanhol chamado Parade, que usou como referência a cena do funeral do filme Peixe Grande. Começa perguntando: "Quem vai estar no seu funeral?" e mostra alguém que morreu e fez amigos de todos os tipos pelo mundo. Termina com o carrinho que levava o defunto sendo atirado ao mar e engolido por um peixe gigante. Bonito e ousado para a Coca-Cola.
O refrigerante inglês Tango também continua a produzir bons filmes com um humor surreal.

PRODUTOS PARA A CASA

A JWT Brasil tinha um concorrente, "Vento" para um lustra-móveis da Reckitt. Um ventilador empurrava lentamente uma TV até ela cair do móvel. Todo mundo ficou achando que era um filme de ventilador. Surpreendeu.
A DDB sul-africana tinha um filme curioso. Um homem que precisou fazer um transplante de mão, descobre que o novo órgão tinha vindo de um japonês. A mão tirava fotos de tudo, o tempo todo. Para piorar, a câmera estava com baterias Energizer, que dura muito mais.
Pronto, agora já vão dizer que parece com o filme para a Nokia feito pela Lew, Lara (da série do "Wilson Anda para trás").

MÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS

Mais um filme do Brasil: DM9, para Ponto Frio. Mostrava uma pessoa numa cadeira de balanço, que só balançava um pouco e parava. Culpa de um ventilador daqueles que funciona girando de um lado para o outro.
A categoria tinha poucos filmes, mas bons. Um deles, da DDB México, falava bastante da reeleição de Bush. Fechava dizendo que ia ficar mais difícil dormir. E vendia os colchões Dormimundo.
Não entendi como alguém pode fazer um filme dizendo para a gente dormir imundo. Tá, foi mal.

COSMÉTICOS

Tinha um dos meus filmes preferidos do festival: Stunt City, da Lowe Londres para Rexona. Uma cidade inteira de dublês pegando fogo, pulando de prédios, batendo de carro para depois dizer que o produto protege mesmo, mas só debaixo dos braços. Grande produção.
Dois filmes brasileiros: Um da DPZ que mostrava dois pães sendo colocados numa torradeira, um com manteiga e outro com um creme. Só a do creme não queimava, estava com protetor solar Avon.
A Almap tinha um filme emocional para o Boticário, em que um menino vai comprar um perfume para a suposta namorada. Bem aplaudido.

FARMACÊUTICOS

Tinha o filme mais bizarro do festival. A mulher reclama que acabou o gás em casa e o marido, como direi, peida um bujão. Era da Tailândia.
Dois filmes brasileiros. Um da campanha premiada em Press da JWT para os lenços Kleenex, que conta a história do infeliz Stuart Stucliff, primeiro baixista dos Beatles que largou a banda para ser pintor.
Outro, da Y&R e filmado pela carioca Yes, mostrava um túnel que fazia um barulho mas não saía nenhum carro. É para o laxante da Novartis.

ROUPAS E ACESSÓRIOS

Supresa. Os principais filmes da Nike e da Adidas não estavam nesta categoria. Foram inscritos em Imagem Corporativa, provavelmente imaginando que ia ser mais fácil. Agora vão brigar em outro quintal.
Espaço aberto para o ótimo corredor de cuecas da Rainha, feito pela F/Nazca.

MISCELÂNEA

Só quatro filmes, entre eles um (novamente) da Almap. Um homem chega para trabalhar com um arranhão no pescoço, dando a impressão de que teve uma grande noite de sexo. Era para Whiskas, a comida que os gatos preferem.

CARROS

Melhor categoria. Mas a briga deve ficar mesmo entre os filmes que eu comentei na segunda: GRRR (Wieden para Honda) e Singing in the Rain (COM GENE KELLY! Da DDB London para VW). Foram aplaudidos desde o início da exibição.
2 filmes brasileiros receberam a espinhuda missão de superar os dois e mais vários outros muito bons. "Segundo Lugar", Almap para Audi e "Man Standing" da Neogama para Mitsubishi.
Achei injusto não entrar a campanha institucional da VW Brasileira, também da Almap, que o pessoal aí ficou reclamando, mandou tirar do ar etc.

OUTROS VEÍCULOS

Dobradinha Almap e Jodaf de novo com o filme Clones para peças originais da VW, desafiando o espectador a descobrir qual dos produtos na tela eram falsificados. Difícil. No final, um carro batido e outro não, qual deles teria usado peças falsificadas?
Um filme da Ford feito pela JWT Tailândia, King Kong, tinha cara de favorito.

ELETRÔNICOS

O filme do iPod, agora com o U2, estava de novo no festival. Tomou vaia. Aliás, se alguém tiver saco, coloca no banco de imagens da Gettyone com a palavra "dancing" na área de filmes e vê onde estava a referência da campanha multi-premiada.

VAREJO

Bons filmes. O nível está crescendo nesta categoria como em nenhuma outra.

FAST FOOD

Tinha um filme da Ogilvy para o restaurante Fit Food. Uma roda gigante que parava e depois despencava. Parava e despencava. Culpa de uma gordinha.
Muitos filmes, quase nada bom.

N.R.: Cadeira que balança e pára, roda gigante que desce e para? Aquele brilhante filme do McDonald's, de uns 3 anos atrás, criou filhotes. Lembra que um garotinho chora e pára, chora e pára até a gente descobrir que ele estava balançando e ora via o logo do McDonald's e ora não? Ou teve algum outro antes? (ME)

ENTRETENIMENTO

Filme checo muito bacana. Cidadão sai do carro e deixa o vidro aberto, o motor e o pisca alerta ligados. Entra no cinema. Era para um festival de curtas.

BANCOS E SEGUROS

Categoriazinha dura em qualquer festival. Teve a vaia do ano, com um filme australiano para Visa, feito com o Richard Gere na India.
Uma menina passa com uma gaiola. Um indiano explica pro Richard que soltar um pássaro na Índia é sinal de sorte (ou sei lá o quê). Richardão vai lá e torra a grana dele para surpreender a menina: manda soltar um monte de pombas brancas e outros passarinhos.

IMAGEM CORPORATIVA

Como eu falei, Nike e Adidas competindo com coisas como Tetra Pak e até um filme em que os principais criativos americanos aparecem vestidos de mulher, para dizer que o mercado precisa de mais mulheres. Colé, mermão, lá no Brasil não tem disso não.
A Nike chegou a inscrever o filme Brasil X Portugal como se o produto fosse
a divulgação da EuroCopa 2004.

CATEGORIAS DE MAZELAS HUMANAS

Os filmes de mensagens doentes, coitadinhos e desesperados mudaram muito. E estão bem legais. Três brasileiros competem:
- A JWT com uma campanha pelo desarmamento: duas crianças futucam o armário do pai, acham uns cigarros e começam a fumar. Por sorte não pegaram o trabuco que o pai escondia ao lado.
- Lew, Lara para a Liga das Senhoras Católicas: uma mulher descobre que a imagem de uma santa na sua igreja está chorando. Reúne a comunidade, o padre, todo mundo. Na verdade, era o telhado que estava quebrado. "Não esperamos milagres, só a sua ajuda." Era a assinatura.
- DM9, trouxe um filme com uma abordagem diferente. Uma mulher está na cozinha quando um copo começa a se mexer. Começa, continua e a mulher fica meio assustada. Diz o seguinte: Doe seus órgãos agora, porque podem não perdoar você depois. Muito bacana.

E acho que é isso. Eu queria pedir desculpas se esqueci alguém ou se contei mal os filmes aqui. Não é fácil lembrar de tudo e nem ler as anotações que fiz rapidinho, no escuro, com um olho na tela e outro no bloco.

RECORDE PARA O BRASIL

Conforme anunciaram os outros veículos especializados que dispõe de alguma verba na cobertura de Cannes, hotel com business center e vários profissionais especializados, o Brasil deve bater o recorde de leões amanhã com a divulgação dos premiados em filmes.
Segundo o copy/paste que eu fiz do Propaganda e Marketing: "São seis da área de filmes, 12 em Press & Outdoor, 23 em Cyber e dois em Rádio. Entre os 43 Leões está o do Grand Prix da DM9DDB conquistado na competição Cyber Lions.
O número de Leôes bate o recorde do ano passado quando foram 41 Leões: cinco de filmes, 10 de Press & Outdoor, um de Media, dois de Direct e 23 de Cyber."
O que eu ouvi é que eram 5 os premiados e houve um filme que foi "puxado", como a gente diz, mas não consegui saber qual. Os jurados também estavam na dúvida se um dos leões iriam passar de bronze para prata. Parece que um ouro vem com certeza.

ME ENGANA QUE EU GOSTO

Mais e mais pessoas estão descobrindo esta nova e improdutiva maneira de enrolar no trabalho. Ao invés de ficarem de papo no messenger ou vendo fotos de sacanagem, ficam lendo a Fenêtre que pelo menos é um monte de letrinhas, de longe, dá a impressão de que o leitor está ralando.
Gente como Monica Souza (Ydreams Portugal, beijão!!), Paulo Bemfica (Bates_Red Cell Portugal), Albertino Pimenta (Multinational), Suzana Prista (CGCom), Luis Rego (que não vale, é meu colega na McCann Portugal), Priscila Serra (da MG, a primeira pessoa que me convidou para ser "correspondente", na época, para o VoxNews), Glaucio Binder (Binder FC+G), Lucas Duque (Sonido), Milvio Piacesi (X Brasil) e até a responsável por 50% desta coluna, minha mãe.
Obrigado por tudo. Hoje foi difícil, mas amanhã eu prometo que vai ter um balanço legal. Vou chamar a Gretchen e a Rita Cadillac. Pena que vocês não vão ler porque é sábado. Até.

25 de junho de 2005, sábado - Final

SEGURA QUE É O BALANÇO

Polêmicas, problemas técnicos, surpresas e grandes festas. Cannes teve de tudo este ano.
Ao mesmo tempo em que o festival vive uma nova fase de organização em que deve parar para pensar o seu futuro, reafirmou a sua condição de Disneylândia e Copa do Mundo da publicidade.
Acompanhe agora os últimos bedelhos da derradeira Fenêtre deste ano.

ÚLTIMOS RESULTADOS, POUCAS SURPRESAS

Por mais que o filme "GRRR", da Wieden+Kennedy para a Honda, fosse o favorito ao GP ninguém acreditou que esta coluna iria acertar uma previsão, principalmente feita no segundo dia de festival.
Dizem que o próprio Dan Wieden, quando leu a Janela ligou para a sua equipe em Londres para dizer: "We're Fucked!" (ou, em português: galera, não vai dar, aquele cara da Fenêtre que não acerta uma disse que somos favoritos).
"GRRR" ganhou também um Leão de Titânio pelo case da campanha.
Os outros filmes apontados aqui pela Fenêtre como favoritos ao título levaram leões. Hello Tomorrow, da 180 (HOL) para Adidas foi ouro e Singing in The Rain da DDB (GBR) para VW ficou com bronze.
A TBWA\Paris foi a agência do ano, como também já se esperava após o resultado do short list de Press&Outdoor.

O BRASIL

Na Fenêtre passada o Marcio Ehrlich comentou que o filme do Ponto Frio lembrava um antigo do McDonalds, mas eu devo ter contado mal, Marcião, porque os filmes não se parecem em nada.
O Brasil foi bem. Quebrou seu recorde de leões, embora graças a força dos Cyber Lions e a quatro leões de uma nova categoria, Rádio.
Em Filmes, foi o quinto país em número de leões (6 troféus) e não o quarto como chegou a ser anunciado. Na frente ficaram EUA (que levou "só" 27), Inglaterra, França e Alemanha.
Veja quem levou:

Ouro

"Azarados" da JWT para Kleenex em mais um bom trabalho da produtora AD Studio de Jarbas Agnelli, que marcou por mais um ano a sua presença entre os leões.

 

Prata

Vento, da JWT para Reckit Benckiser"Vento" da JWT e Jodaf para o lustra-móveis da Reckitt Benckiser;
Cozinha, da DM9DDB para Associação de Transplante de Órgãos E o divertido "Cozinha" da DM9 para Associação de Transplante de Órgãos com produção da CaradeCão

 

 

Bronze

Cueca, da F/Nazca para Rainha"Cueca" da F/Nazca para Rainha com produção da Cia de Cinema.
E dois para a Almap: "Clone" para peças originais VW; e "Arranhões", para Whiskas Estes dois também com produção da Jodaf.
Em Rádio, foram 4 bronzes: 3 de uma campanha da (adivinha) Almap com produção da MCR para a Rádio Bandeirantes e um da paranaense Master com a In Sonoris pelo spot "Ask Why" para o Ministério da Saúde.
Se você quer ver e ouvir todas as peças é só acessar http://www.canneslions.com/winners/

CANNES ESTÁ INCHADO

Este tarugo que vocês estão vendo aí não é a lista telefônica da Côte D'Azur. É o catálogo de pecas inscritas este ano.
Cannes, assim como quem ficou até de manhã bebendo no Martinez, está inchado.
Dá para entender que isto é um negócio e precisa dar dinheiro. Mas está na hora da organização do festival pensar em valorizar os leõezinhos, ou eles vão começar a perder o sentido.
Tem categoria demais. O Titanium Lions parece que não pegou, apesar do bom conceito. Ficou sem GP. E ainda tem Radio Lions, Media Lions Direct Lions, Cyber Lions, Lions Club, Rotary Club. É muita coisa.
E se existe Direct Lions, pela lógica, não deveria existir um Design Lions? Querem apostar que vem por aí?
Cannes não vai acabar com as categorias. Vai fazer mais. Neste caso, fazer o festival em duas partes, uma só para TV e mídia impressa seria uma solução. Mas eu duvido.

GP DE DIRECT É UM FILME

Uma prova de que estas categorias estão muito confusas. O GP de Direct Lions foi dado a um filme alemão para a Renault. A idéia era interessante.
O filme foi rodado em duas versões, uma que mostrava um trajeto de um homem por um cenário muito triste e outra, o mesmo trajeto, com o mesmo personagem, mas com um clima mais animado.
O filme passou ao mesmo tempo em dois canais e sugeria que as pessoas zapeassem os canais quando surgisse um comando na tela e vissem as diferenças.
A campanha para que as pessoas assistissem deu um mega resultado. Mas, cá entre nós, a idéia não estava no filme? A agência, pelo menos, concorda: inscreveu a mesma peça na categoria de Filmes. E não pegou nem o short list.

FILMES ABREM PRECEDENTE

Uma pessoa normal, coisa já tão rara na propaganda moderna, não consegue ver com atenção mais do que um short list de Press & Outdoor e mais do que meia dúzia de categorias de filmes antes do short.
E a tendência das categorias em filmes é aumentar. Este ano houve uma novidade neste segmento, a categoria "Melhor Uso de Música". Ou seja, um prêmio técnico, que foi para o filme Hello Tomorrow, da Adidas. A trilha é do irmão do diretor Spike Jonze. Merecido.
E se tem "Melhor Música", porquê não "Melhor Fotografia" e "Melhores Efeitos Especiais"?
Vários festivais já fazem isso e acho que Cannes está de olho, mas sei lá, o festival pode perder o foco.

ESBÓRNIA

Muita gente pensa, equivocadamente e contaminada pelos meus relatos que Cannes é só festa. Não é verdade. Tem também a manguaça, a chutação de balde e uma zoação monstro seguida de perda de parte da memória.
Eu, por exemplo, estou com o pé cheio de jaca até agora.
Deve ter uma parte construtiva nisto tudo. Deixa eu pensar. Bem, se Cannes voltou a ter grandes festas é um termômetro de que o negócio da publicidade no mundo vai bem.
Só na última sexta rolou: uma da McCann em um iate da família Onassis (que eu perdi para ficar escrevendo para vocês e é a minha agência!); uma da DDB na praia do Carlton e a melhor festa em que estive este ano, a da Leo Burnett (obrigado, amigos da Leo) em Palm Beach.
Estava perfeita. Era para terminar às 2h mas até às 3h tinha gente dançando e bebendo à vontade em copos verdes (cor da agência) fosforecentes.
Um dia antes, no mesmo lugar, muitos brasileiros estiveram na festa das
produtoras italianas a convite do pool FilmBrazil. Acho que imagem da galera fala por si.
E o Martinez nos últimos dias parecia o dia de comemoração da vitória do Brasil na Copa do Mundo. Faltou, como eu já disse, a galera do Rio.

PRODUÇÃO E BEAM.TV

A empresa responsável pela transferência digital dos filmes de Cannes não consegue transferir nem dinheiro da conta. No ano que vem, quem vai confiar numa companhia que arruinou o investimento de várias das principais agências no festival?
Se eu fosse vocês, mandava uma Beta com os filmes.
O erro acaba sempre escondendo a competência. Neste caso, ficou chato para a produção do festival que melhorou depois da saída do menino maluquinho Roger Hatchuel. Estava bem bacana.
Mesmo com uma obra no Palais, na área de convivência da Lions Village, conseguiram montar um bom espaço e atrair ótimos patrocinadores.
A única coisa que eu não entendo: das vezes que vim a Cannes, sempre recebi uma bolsa com muita coisa: camisa, livros, convites, brindes de todos os tipos e tamanhos. Este ano a bolsa pesava quase 10Kg. E ninguém NUNCA se preocupou em dar como brinde uma caneta e um bloquinho.

LEÃO DE RELAÇÕES PÚBLICAS

Guardei a história para o final porque se eu só contasse sem alguma fotos (que só recebi hoje) ninguém ia acreditar.
Na frente de um dos hotéis de Cannes havia um prédio de apartamentos em que todos os dias, DOIS casais de meninas desfilavam suas intimidades.
Trocavam de roupa, de posição, uma loucura. Isso é que é uma fenêtre boa.
E pensar que o máximo que eu via da janela do meu quarto (digo, masmorra) no Le Carandiru eram os detentos do bloco da frente queimando colchões e gritando por direitos humanos.
Ah, nem adianta que o nome do hóspede "Garganta Profunda" eu só entrego depois que ele morrer ou ficar velho e maluco querendo se entregar. Falta pouco: maluco ele já está.

A MELHOR COISA

Adeus, Cannes 2005Depois de muita publicidade, festas e uma viagenzinha bem bacana para Saint Tropez, volto para casa com a sensação de que a melhor coisa neste Festival todo foi a participação de vocês aí no Brasil, em Portugal e até na África.
De coração, obrigado para caramba pelos emails, pela força, pelas críticas, pelas dicas. E, Marcio, valeu pra caramba. Obrigado também Laís Prado do CCSP, Paulo Macedo e a turma do Propaganda e Marketing e a McCann Portugal, que me ajudaram.
Vou continuar aqui na Janela uma vez por mês, ou quase isso, com a "Janela Internacional ". A gente vai se falando. Quem quiser continuar trocando idéia, já tem o meu email.
Se Deus quiser e o dinheiro e a assessoria de imprensa de Cannes permitirem, no ano que vem estamos aqui de novo.
Um abração,
Fabio

O redator Fabio Seidl é o enviado (com todo o respeito) especial da Janela em Cannes 2005.