Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 08/JUL/2005
Marcio Ehrlich

 

Colunistas Rio 2005 supera inscrições de 2004

Com inscrições de 29 empresas cariocas, o 24º Prêmio Colunistas Rio de Janeiro será julgado este fim-de-semana, superando o volume de concorrentes de 2004. Nada menos que 1014 peças foram apresentadas para julgamento, ficando os anúncios de jornais com a maior presença: 415 trabalhos, seguidos pelos anúncios de revista, com 221 peças. Em terceiro lugar ficaram os comerciais de televisão: 140 concorrentes, mais até do que as 124 peças de mídia exterior.
A agência com maior presença no Colunistas Rio 2005 é a NBS, com 68 inscrições, entre campanhas, séries e peças isoladas. Ela foi seguida pelas agências 100%, Agência3, Quê/Next e Giovanni FCB. Além destas, também terão peças sendo analisadas pelos jurados as agências Binder/FC+G, Brasil.com, Canvas, Contemporânea, Crayon, DM9DDB, Doctor, DPZ, Duda, Espaço/Z, Harrison, I-ltda, JWT, McCann-Erickson Rio, Ogilvy Brasil, Praia, Ric, Rio KA, Ronson, Scalla, Staff, Tática e VS. Duas produtoras também mandaram trabalhos: Nova Onda e Rádio A.
Até o momento estão confirmados no júri Armando Ferrentini (diretor da Editora Referência), Cláudia Penteado (Advertising Age), Fabiana Ribeiro (reporter de economia de O Globo), Jomar Pereira da Silva (colunista da Banco Hoje), Marcio Ehrlich (editor da Janela Publicitária) e Vânia Carvalho (diretora de comunicação da Intelig). A Associação Brasileira dos Colunistas de Marketing e Publicidade (Abracomp) convidou o Clube de Criação do Rio de Janeiro (CCRJ) a indicar um representante dos profissionais de criação do Rio de Janeiro para integrar o júri do concurso. O nome deve ser confirmado ainda esta sexta-feira.
Após o julgamento dos trabalhos inscritos pelos profissionais, será julgada a terceira versão do Prêmio Colunistas Nova Geração, voltado para os estudantes de publicidade. Este concurso permitirá inscrições até o final da tarde desta sexta-feira. O regulamento está no site da Abracomp, em www.colunistas.com.
Vencedores de 2004
No concurso do ano passado, a NBS foi escolhida, pela segunda vez consecutiva a Agência do Ano. O título de Publicitário do Ano foi para Adilson Xavier, da Giovanni FCB e o de Profissional de Propaganda do Ano para Álvaro Rodrigues, da Agência3. Como Anunciante do Ano foi escolhida a Petrobras e como Veículo do Ano o Grupo Dial Brasil.

CPI pode convocar Pastore e Calazans sobre BV

O deputado Nelio Dias (PP/RN) propôs à presidência da CPI dos Correios que sejam convocados os presidentes da ABAP-Associação Brasileira das Agências de Publicidade (Dalton Pastore) e da Fenapro-Federação Nacional das Agências de Propaganda (José Calazans) para que eles expliquem aos deputados e senadores sobre como funciona o pagamento da Bonificação de Volume (BV) -- chamada por ele de "Bonificação de Valores" -- pelos veículos para as agências de publicidade.
O objetivo, pelo que disse o deputado, é analisar se poderia estar na BV recebida pelas agências SMP&B e DNA a origem dos valores do suposto mensalão pago pelo PT aos deputados.
Respondendo ao deputado, o empresário Marcos Valério não soube avaliar os valores recebidos dos veículos pelas suas agências por conta das veiculações realizadas para os clientes federais.
O depoimento de Valério à CPI foi, seguramente, a maior lavagem de roupa suja da história da publicidade no Brasil, envolvendo citações a diversos outros empresários e agências do país. A imagem da atividade está saíndo brutalmente ferida desta briga política que acontece em Brasília. Em seu questionamento a Valério, o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) chegou a declarar que a publicidade é a laranja do momento e todos os contratos de publicidade dos órgãos públicos federais deveriam passar por uma devassa. "A publicidade é o novo viés da corrupção", afirmou.
O presidente da Fenapro, José Calazans, declarou à Janela que, se convocado, vai falar sobre o assunto com tranquilidade. "BV é uma prática normal e aberta do mercado publicitário, sobre a qual não há nada ilegal ou a esconder", disse o executivo.

Beth Oliva assume o comercial do O Dia

Na área comercial do jornal O Dia há quase 9 anos, Paulo Fraga deixou esta semana a empresa. Fraga confessou à Janela que depois de tanto tempo no jornal, já estava na hora de haver uma renovação para ambas as partes. Tanto que no momento, ele não está fechado com nenhum outro veículo e sim estudando as propostas que já começou a receber.
A solução para a vaga foi encontrada dentro da própria empresa, com a promoção da gerente comercial Beth Oliva para o cargo.
Como neste mercado nada acontece tão de repente quanto parece, houve quem notasse que na festa do mídia, promovida pelo jornal O Dia na semana passada, Paulo Fraga saiu logo no começo da noite, enquanto Beth ficou ciceroneando os convidados da área Vip.

Ed Domingues lança Manifesto ao mercado

Há alguns anos, o publicitário francês Jacques Seguela lançou um livro propositalmente polêmico com o título "Não contem para a minha mãe que sou publicitário. Ela pensa que eu sou pianista de bordel".
Nos dias de hoje, em que o investidor de uma agência está sendo chamado de publicitário, a classe está enfrentando uma enorme pressão institucional da opinião pública.
E já que nenhuma entidade ainda se manifestou protestando por chamarem este tal de Marcos Valério de "publicitário" -- nem mesmo o Sindicato dos Publicitários de Belo Horizonte!! --, o diretor da agência Prisma no Rio, o -- este sim -- publicitário Eduardo Domingues distribuiu esta segunda-feira um Manifesto para a classe e para os líderes do mercado, registrando publicamente a sua opinião.
Segue o Manifesto de Ed Domingues:

“Publicitário” não é sinônimo de “ladrão”.

Publicidade é a atividade que permite que as empresas pratiquem o seu direito de comunicar, comercialmente, informações sobre seus produtos e serviços ao mercado e aos consumidores.
Publicitário é quem pratica essa atividade, atendendo cliente, criando mensagens, fazendo mídia, planejando ações ou produzindo as peças publicitárias.
Quem compra participação em empresas para se beneficiar de contratos (e dinheiros) futuros com o Governo é ladrão.
Publicidade (e os Publicitários) não devem sofrer porque, alguns poucos, fazem mal uso dela, da mesma forma que as artes gráficas não devem ser punidas pela existência dos falsários, ou a medicina, pela existência dos charlatães.
Nesse momento delicado, quando o Brasil atravessa uma onda de má-fé, desonestidade e falta de punição nunca visto, é importante separar uma coisa da outra.
“Publicitário” não é sinônimo de “ladrão”.
Eduardo Domingues
Rio, 4/7/05
[email protected]

Em tempo: Se alguém tem dúvida sobre o Marcos Valério ser ou não publicitário, vale consultar a Lei 4.680, que em seu primeiro parágrafo define a profissão:
Art. 1.º - São Publicitários aqueles que, em caráter regular e permanente, exerçam funções de natureza técnica da especialidade, nas Agências de Propaganda, nos Veículos de Divulgação, ou em quaisquer empresas nas quais se produza propaganda.

Ou seja, criativos são publicitários, contatos de veículos são publicitários, diretores de comerciais são publicitários. Por lei.
Ao mesmo tempo, diz lá no Art.6º:
Parágrafo 1. º - Os auxiliares que, nas Agências de Propaganda e outras organizações de propaganda, não colaborarem, diretamente, no planejamento, execução, produção e distribuição da propaganda, terão a designação profissional correspondente às suas funções específicas.
Ou seja, secretárias não são publicitárias, gerentes financeiros não são publicitários, sócios investidores não são publicitários. Também por lei.

IP faz acordo de estágio com 5 agências cariocas

O Instituto da Propaganda (IP), que começa na próxima semana duas novas turmas -- uma para criação e outra para atendimento -- fechou esta semana um acordo de estágio para seus melhores alunos em mais 4 agências, além da Doctor, do diretor do IP, Marcos Silveira. São elas 100%, Brasil.com, Contemporânea e Script.
As informações sobre o IP estão no site www.institutodapropaganda.com.br

REFORÇOS DO MERCADO

100% (Rio-RJ) - Gustavo Bastos aumenta sua equipe com a chegada do premiado redator Roberto Sá Filho (foto à esquerda). "Big", como é conhecido no mercado, trabalhou em agências como Praia e Provarejo e em sua curtas carreira já ganhou prêmios como 2 lâmpadas na ABP, peças no último Melhor do Rio, do CCRJ e está entre os 10 redatores mais premiados do Colunistas do ano passado. (11/06/2005)

McCann-Erickson Rio - O departamento de criação, dirigido por Luiz Nogueira, conta agora com o reforço do redator Christian Grecco. Vindo da AlmapBBDO (SP), onde ficou por quase 3 anos, Christian passou pela Casa da Criação e Carillo Pastore Euro RSCG. (07/06/2005)

W/Brasil (São Paulo - SP) - Contratou Patrícia Oliveira como supervisora de contas para atender Grendene e Reebok, e Tiago Moreira como executivo de contas de Coopertone e Garoto. Ambos vieram da McCann-Erickson. Vindo da JWT, entra Renata Gimenez, como executiva de contas para atender Folha de S. Paulo, Fnac, e Azeite Andorinha, entre outras. E saída da revista MTV, entrou na W Emiliano Urbim, para a área de planejamento. (06/07/2005)