• Quem vê esta coruja, Vota Eletromídia
    DPZ&T - Criatividade que gera resultados.
  • Perceptiva muda de nome e agora se chama Colaborativa

    Aos 23 anos de existência, a agência Perceptiva, que também já foi Percepttiva, com dois “t”, já está se apresentando na internet com seu novo nome de Colaborativa.

    A mudança aconteceu após a saída do sócio e diretor de mídia Rafael Motta Duarte, agora investindo mais na área imobiliária, que inclusive sempre foi o forte na carteira da agência.

    Curiosamente, há exatos 10 anos, em dezembro de 2007, Rafael dava entrevista à Janela informando que queria marcar para a Percepttiva a imagem de ser uma agência criativa, “desejada não só pelos clientes de fora da área imobiliária como dos próprios criativos cariocas, que poderão ver a Percepttiva como um lugar onde poderão realizar bons trabalhos para seus portfólios”.

    Por coincidência, recentemente a agência — que continuava comandada pelos sócios Eduardo Ribeiro e Eduardo Resende, responsáveis, respectivamente, pelas áreas administrativa e de negócios — havia passado a trabalhar, em coworking, com duas outras empresas: a Irion, de Rogério Mandelblatt, com expertise de atuação no universo digital, e a Planners, comandada por Ângela Milet, especializada em BI-Business Intelligence e planejamento. A parceria funcionou, conta Milet, a ponto de novas contas serem conquistadas pelo grupo, como a Monoi Tiki Tahiti, a Capi e a GB Armazéns.

    A multinacional do ramo de estética e beleza Monoi Tiki Tahiti será lançada no Brasil em abril de 2018 com uma verba de mais de R$ 3 milhões. A Capi Moda Masculina também vem com campanha, em estratégia de on e off. E a GB Armazéns, empresa de locação de grandes galpões para recepção e recarga vai promover um reposicionamento da marca no mercado nacional e internacional com investimentos estimados em R$ 1,8 milhões.

    O resultado é que as três empresas — Perceptiva, Irion e Planers — decidiram que seus diretores deveriam se juntar sob a nova marca “Colaborativa”, conceito que querem que seja “não só no nome, mas principalmente na ideologia, na prática junto aos seus clientes, no dia a dia do pensamento e entrega e na relação com seus parceiros, clientes e no formato de trabalho com seus funcionários”.

    Entre outras contas conquistadas estão Miniax, de moda LGBT; Mega (rede de Hotéis Marriot e Marina Porto Real); ToyBoy Brinquedos; TopShoppingagora também com a conta digital, e outros do tradicional segmento de construção/incorporação e imobiliário, como Grupo Opportunity, Helbor Imobiliária, Grupo Teruszkin e MDL.

    A meta de faturamento da Colaborativa para 2018 é chegar a R$ 10 milhões, um aumento de 40% sobre os resultados deste ano.

    A estrutura da empresa hoje está com Eduardo Rezende, Dudu Ribeiro e Marcelo Fróes como sócios estatutários, Ângela Milet (BI e Planejamento e que também é Diretora Geral da Empresa) e Rogério Mandelblatt (Diretor técnico do Digital e de Inbound). E ainda Myrna Louro, como responsável por Estratégia e Táticas de Canais e Marcelo Santos na Estratégia Criativa.

    Na foto, Eduardo Ribeiro, Angela Milet e Marcelo Fróes.

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.
    seta