• Colunistas 2019. Para quem sabe vencer desafios.
  • Rodrigo Faro promete propaganda mais barata e Fenapro questiona

    Rodrigo Faro no Aceleraí

    O lançamento do Aceleraí, um novo produto da agência de varejo Pullse — com o ator Rodrigo Faro prometendo comerciais nove vezes mais baratos –, tomou o mercado como um furacão esta quinta, 11/04. Com o volume de queixas que Glaucio Binder, o presidente da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), recebeu de donos de agências em todo o país, ele decidiu entrar com questionamentos nos órgãos reguladores da atividade publicitária, como o Conselho Executivo das Normas-Padrão (CENP) e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar).

    O serviço, que tem página no Youtube, publicou dois vídeos (já retirados do ar): um falando de suas vantagens e outro já captando trabalho para o Dia das Mães. “O Aceleraí não é uma agência de publicidade concorrente das que estão no mercado, e sim um produto da Pullse”, explicou para a Janela Allan Barros, diretor da Pullse, agência especializada em varejo nascida em 2017 em sociedade com a Artplan.

    Allan Barros
    Allan Barros

    Barros admitiu que houve um erro de comunicação no comercial estrelado por Faro e resolveu tirar do ar não apenas os dois vídeos como o próprio site do Aceleraí. Por conta do mal entendido que passava o comercial, entre as diversas perguntas que empresários começaram a fazer é se o próprio Rodrigo Faro cobraria seu cachê nove vezes mais barato se a propaganda fosse feita pelo Aceleraí, ou se eles conseguiriam um preço na Globo na mesma proporção.

    Allan Barros fez questão de reforçar que não pretende ser concorrente das agências de publicidade. “O que queremos é permitir que os anunciantes regionais de pequeno porte possam voltar para a mídia tradicional, de onde acabaram se afastando”, garantiu.

    O conceito do Aceleraí, como esclareceu o diretor da Pullse, é compartilhar apenas a produção entre as diversas regiões do país. “Somos um marketplace de produção. Assim, um mesmo comercial criado para o Rio Grande do Norte poderá ser veiculado no Rio Grande do Sul, apenas adaptando o nome do anunciante”, disse.

    “Tenho mais de 20 anos de mercado e nunca desrespeitei as normas”, se defendeu Allan Barros, informando que hoje conversou com Mario D’Andrea, presidente da Associação Brasileira das Agências de Propaganda, para explicar o que é o projeto, e está se colocando à disposição do CENP e do Conar para mais esclarecimentos.

    LEIA TAMBÉM NA JANELA

    Artplan e Allan Barros oficializam sua nova agência de varejo, a Pullse (em 25/07/2017)

    Marcio Ehrlich

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.
    seta