• Colunistas 2019. Para quem sabe vencer desafios.
  • Comercial do BB não custou R$ 17 mi de produção

    Comercial com influenciadores, da WMcCann para o BB



    O terror criado pelo presidente Bolsonaro dentro do Banco do Brasil acabou impedindo que o órgão se defendesse mais ativamente da acusação de que a produção do comercial “Selfie”, criado pela agência WMcCann e vetado pelo presidente — e que apresentava influenciadores e atores negros –, tenha custado R$ 17 milhões, como foi citado erroneamente por alguns jornalistas e acabou se espalhando pelas redes sociais.

    A resposta do BB na mídia foi discreta, principalmente perante as vozes que vociferaram acusando agência e cliente de gastos despropositais comparados com o usual do setor.

    A Janela foi atrás e fontes da área de marketing do Banco do Brasil, porém, nos esclareceram que R$ 17 milhões foi o valor alocado para toda a campanha, não apenas para a produção do comercial. Coube à produtora Yourmama — que contou com a direção de Cassu — um percentual de cerca de 7%, ou seja, perto de R$ 1,1 milhão para realizar a peça.

    Questionada formalmente, a assessoria do Banco do Brasil apenas nos confirmou, em nota, que os R$ 17 milhões contemplavam a produção e a mídia em TV, rádio e internet.

    Se, conforme a nossa fonte, o percentual previsto para a veiculação superava 90% da verba da campanha, os planos da área de marketing do BB seriam de investir pelo menos R$ 15,3 milhões na mídia, valor considerado dentro dos parâmetros de uma campanha de conquista de mercado do setor financeiro.

    No final da tarde, a assessoria de imprensa do BB aproveitou para comunicar que o diretor de Estratégia e Organização, Alexandre Alves de Souza, vai responder, temporariamente, também pelas funções de diretor de Marketing e Comunicação do Banco do Brasil, em substituição a Delano Valentim Andrade.

    Marcio Ehrlich

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.
    seta