Grupo Coruja. Sua marca em movimento.
Publicidade

Desorganização afeta e adia concorrência da Alerj

Alerj

Marcada para acontecer esta terça, 15/10, foi cancelada a entrega de documentos das agências para a concorrência da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), sem definição de data para a realização do novo encontro.

A Alerj não deu explicações ao mercado sobre as razões do cancelamento, evidenciando uma falta de transparência que tem sido motivo de diversas reclamações que têm chegado à redação da Janela sobre o processo.

De acordo com executivos de agências que tradicionalmente participam de disputas públicas de publicidade, a Alerj prejudicou sensivelmente a preparação das propostas ao deixar sem respostas os questionamentos feitos pelos interessados para esclarecer brechas deixadas pelo edital.

Entre elas, por exemplo, as definições sobre os parâmetros para o desenvolvimento da campanha especulativa que será julgada. “Sem estabelecer para todas as agências os limites de verba e de prazo, como os membros da subcomissão julgadora poderão comparar campanhas tão diferentes”, protestou o diretor de uma agência, que, desconfiado da seriedade do julgamento, preferiu ficar de fora desta disputa. Afinal, exageradamente, pode dar margem a ter quem proponha uma campanha apenas em mídia digital por três meses como outra que proponha a compra do patrocínio exclusivo do Jornal Nacional.

Já outro executivo protestou pela burocratização criada pela Alerj para os tais questionamentos. “Não consigo entender eles não nos responderem quando sequer podem alegar não terem recebido nossas perguntas”, comentou, estranhando a Alerj exigir a entrega pessoal das perguntas, e não como usualmente ocorre, por e-mail.

A própria questão da formação da subcomissão técnica vem sendo motivo de dúvidas do mercado. Segundo amigos da Janela, um dos motivos do adiamento da entrega das propostas teria sido a indefinição, até o momento da formação desta subcomissão. Pelas regras da Lei 12.232, que norteia as concorrências públicas, a Alerj deveria ter, antes mesmo do recebimento das pastas, convidado profissionais da área de comunicação para participar do sorteio da subcomissão, divulgando publicamente seus nomes para dar ao mercado a chance de impugnar algum que fosse considerado suspeito.

O mercado aguarda agora, portanto, esta comunicação, e que corra o prazo para impugnações e sorteio público da formação do grupo, após o qual finalmente a Alerj poderá ter em suas dependências os representantes das agências para a entrega de suas propostas.

Marcio Ehrlich

Marcio Ehrlich

Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.
seta