• Oi Ads
  • Burocracia embola a licitação pela conta da Alerj

    Alerj

    As duas agências com melhor pontuação na fase técnica — Nacional e Cálix — começaram o dia sendo desclassificadas na concorrência pela conta da Alerj, porque não apresentaram sua papelada no formato pedido pelo edital, com folhas soltas e sem numeração.

    O rigor na avaliação burocrática, que também tirou da disputa a Aretê, do criativo Hayle Gadelha — que havia ficado na sexta posição, com 6,48 pontos –, acabou causando mal estar tanto nas concorrentes quanto na própria Comissão de Licitação presidida por Sérgio Gomes Novo. Afinal, a Alerj se viu na iminência de ter que considerar classificadas apenas as agências pontuadas da quarta colocação em diante. A mineira Brasil 84, terceira colocada, foi considerada definitivamente desclassificada por sua proposta ter 17 páginas e não as 10 exigidas pelo edital.

    Como resultado, a Comissão de Licitação resolveu levar o caso para a Procuradoria da Assembleia Legislativa, perguntando se supostas falhas, como encadernar páginas identificadas ou colocar negrito no meio do texto seriam motivos para desclassificação de alguma concorrente.

    Enquanto a Procuradoria define a situação da Nacional, da Cálix e da Aretê — a Comissão voltou atrás e estas três estão sendo consideradas agora como “classificadas com ressalvas”. Além delas, a licitação registrou com classificadas sem problemas as agências Sides (9,09 pontos), Publika 7 (6,56) e OCP (5,85).

    Agências aguardam para decidir se recorrem

    Os dirigentes das agências Nacional e Cálix já adiantaram à Janela que, caso a decisão da licitação seja negativa, entrarão com recursos. “Não faz sentido a Alerj abrir mão das agências que a subcomissão técnica considerou como as melhores, por conta de detalhes formais que já estão sendo questionados em todos os tribunais brasileiros”, comentou Marcello Lopes, diretor da Cálix.

    Paulo de Tarso, presidente da Nacional, também considerou um despropósito a agência ser prejudicada por ter encapado a proposta identificada. “Nem podem dizer que isso identificaria nosso material, já que é a documentação que traz nosso próprio nome”, lamentou.


    A Alerj marcou para o dia 22/01, em suas dependências, a continuidade da sessão, agora provavelmente com o posicionamento da Procuradoria sobre as agências com a classificação em suspenso.

    Marcio Ehrlich

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.
    seta