• O Lado Bom (Por Toninho Lima)

    Home Office de Toninho Lima

    Eu sei. Tá muito ruim. Se formos analisar com rigor, considerando a situação política, principalmente. No meu caso, tive uma coleção de motivos para sentir do mais profundo desânimo à mais insuportável agonia ao longo dos morosos e monótonos meses de 2020. Digamos que foi um ano de varrer pra debaixo do tapete e esquecer.

    Mas e se a gente olhasse por outro ângulo? É sempre positivo tentar ver o que se ganhou, mesmo que sejam benefícios resultantes das perdas. Por exemplo, o tão falado home office, que eu só conhecia de ouvido. Depois de uns dois ou três meses, eu já conhecia de ouvido, de leituras, de ver na tevê.

    Hoje posso dizer que eu conheço o home office até de bunda. Tanto que tenho um aplicativo que me avisa quando já estou há muito tempo sentado. A gente não vê o tempo passar e quando se dá conta, a gente não se levantou, não caminhou, não espreguiçou, não viu, não ouviu, não viveu.

    Depois, aprende a conviver melhor com essa nova rotina. Começa a dosar mais o tempo que fica sentado, como um periférico, em frente ao notebook. Faz pausas, caminha pela casa, lava uma louça, espia a tevê. Felizmente, eu estou plenamente adaptado. O home office em meio ao verde, na tranquilidade da serra, ajuda bastante.

    Estamos, já vai quase um ano, vivendo uma repetitiva novela que nunca sai do mesmo capítulo. Essa pandemia, inoculada com altas doses de desgoverno, veio para passar longa temporada no Brasil. Portanto, temos que repensar o modelo de trabalho. Tenho encontrado, aqui mesmo na serra de Petrópolis, alguns colegas publicitários, e mesmo alguns empresários, decididos a adotar definitivamente o regime remoto nas suas empresas.

    Há algum conforto e poesia em rememorar o clima agitado das agências, os brainstorms animados, os almoções com a galera, as tradicionais festas da classe publicitária. Meu coração nostálgico ainda lateja quando me lembro desses doces e efervescentes momentos. E eram realmente muito agradáveis. Mas esse clima vive mais na nossa memória afetiva do que realmente existiu, se julgarmos os anos mais recentes em algumas agências. A crise econômica estava encolhendo investimentos de anunciantes há uma boa sequência de anos. E, mesmo o clima interno das agências, já não era o mesmo de outros tempos.

    Havia os indefectíveis fones de ouvido, cada dia maiores, que impedia os criativos de se comunicarem entre si. Você falava com o diretor de arte e era solenemente ignorado. Havia o ar-condicionado, sempre mais para gelado do que para fresco, que nos deixava com as pontas dos dedos dormentes de frio ao final do dia. Havia o trânsito lento na ida para o escritório e o trânsito, ainda pior, na volta para casa. Havia o atendimento, sempre tenso, nos cercando no início do corredor, quando voltávamos, leves e fagueiros, de um almoço alegre que se alongou. Havia, aliás, muitas reuniões que poderiam ter sido e-mails. Curtos. E, pior de tudo: havia um certo pessimismo reinando nas conversas sobre os rumos do mercado.

    Outro dia, conversando com o Marcelo Coli, comentei que sinto falta das pessoas, mas não exatamente do dia a dia nas agências. E as pessoas não vão desaparecer, mesmo que as agências, do jeito como as conhecemos até aqui, deixem de existir. As amizades que fizemos, permaneceram. Temos feito chamadas de vídeo, chats, que no início nos pareciam imagens de um desenho dos Jetsons na tevê, mas que nos mantiveram próximos dos amigos e colegas.

    Surgiram as lives, e foram tantas, que até viraram alvo de críticas. Eu mesmo gastei 2020 em lives, para o projeto FELICIDADE CRIATIVA, por vários motivos. O principal deles era poder bater um papo com pessoas legais, a quem admiro e de quem gosto. Alguns encontros com amigos no zoom também ajudaram a tornar menos pesada a reclusão a que estávamos todos condenados.

    E, já no epílogo do primeiro ano da pandemia, tive a oportunidade de ser convidado para trabalhar em uma nova agência, onde tenho praticado com muita naturalidade o regime de trabalho remoto. Nos próximos dias, vou inclusive acompanhar uma filmagem remotamente, no conforto do home office.

    Hoje tenho motivos para acreditar que o modelo veio para ficar. Talvez ainda seja modificado, aperfeiçoado e até flexibilizado. Mas a tecnologia nos ajudou a testar um novo padrão de troca, de produtividade, de convivência, de colaboração, que se mostrou tão ou mais eficiente do que o sistema antigo.

    No fim, de 2020 para cá o cenário tem sido duro, árido, cruel, mas trouxe um lado bom. Desde que, claro, a gente consiga vacinar a maioria dos brasileiros. Para que a herança mais duradoura desses tempos seja apenas essa nova forma de trabalhar.

    PUBLICIDADE

    Tupi na TV.

    Toninho Lima

    Toninho Lima é redator, professor na Miami Ad School e articulista na Janela Publicitária

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    88 + = 95

    Discussão

    1. Marcílio Carmo

      É sempre um prazer ler seus textos. E como uma pequena colaboração de ponto final:
      “O que a lagarta chama de fim do mundo, o homem chama de borboleta…” (Richard Bach).

      1. Toninho LIma

        Obrigado, Marcílio. Pois é, a gente precisa entender para onde vai o vento, sempre. abração!

    seta