• Salgueiro adota Sabiá como mascote e para investir em marketing

    Salgueiro - Sabiá

    Se os times de futebol têm mascotes, por que não uma escola de samba? O Salgueiro lançou na última semana o seu, o Sabiá, que não só passa a estar presente nos eventos da vermelho-e-branca do Andaraí como vai se desdobrar em produtos que a escola pretende comercializar.

    Todo o trabalho foi desenvolvido internamente, a partir de uma ideia do diretor de marketing do Salgueiro, Nelson de Andrade, em conjunto com o presidente André Vaz, que é apaixonado por esportes. O Salgueiro, conta sua assessora de imprensa, Joice Hurtado, tem uma equipe de comunicação e marketing interna que atua também com gestão de mídias, web design e promoções.

    Além de o sabiá ter uma forte ligação com a cultura brasileira — lembrem-se de Gonçalves Dias e Tom Jobim –, a escolha foi uma homenagem a Djalma Oliveira Costa, o presidente de honra da agremiação, falecido em 2020, que carregava esse apelido, que lhe deram na juventude, durante suas participações nas tradicionais peladas do morro do Salgueiro.

    PUBLICIDADE

    Marcio Ehrlich

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    76 + = 78

    Discussão

    1. Avatar Jose Ricardo

      Mascote é feminino.

      1. Marcio Ehrlich Marcio Ehrlich

        Sigo a liberalidade do professor Sérgio Nogueira em matéria no O Globo:

        “Mascote é sobrecomum OU comum de dois gêneros? Os nossos principais dicionários e o Vocabulário da ABL consideram MASCOTE um substantivo sobrecomum, ou seja, A MASCOTE é uma palavra feminina que serve aos dois sexos.
        Acredito que a forma masculina esteja consagrada e deva ser aceita. MASCOTE passaria a ser um substantivo de dois gêneros: O MASCOTE e A MASCOTE.”

        Até porque a língua é viva.

    seta