• In.Pacto fica com a conta corporativa da Funpresp

    Funpresp - Exe - Prédio

    O nome do cliente é grande e pouco conhecido pelo mercado, mas sua a conta corporativa foi disputada por quatro das maiores empresas de RP do país. A Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo – Funpresp definiu-se pela in.Pacto na licitação da qual também participaram In Press Oficina, Partners e FSB.

    Como tem sido comum nas concorrências públicas da área de comunicação, essa também teve que superar diversos embates, como recursos e contrarrazões. A in.Pacto, primeira colocada na fase técnica, com 93,83 pontos, foi derrubada na fase de preços pela In Press Oficina — que havia ficado em segundo na técnica, com 90,07 pontos.

    Só que, conta Klécio Santos, sócio e CEO da in.Pacto, em conversa com a Janela, a empresa percebeu que a derrota para a In Press Oficina se deveu à comissão de licitação ter errado nos cálculos das propostas, dando 0,8852 no índice de preço da agência quando a matemática correta resultaria em 0,9952.

    Resultado: a partir do recurso da in.Pacto, os cálculos (que a Janela se recusa a detalhar aqui de tão complicados que são) colocaram a agência em primeiro lugar, seguida afinal pela In Press Oficina e pela FSB.

    A verba da Funpresp para sua comunicação corporativa, a partir do desconto de 41% que a in.Pacto deu sobre o valor original, acabou fechada em R$ 2.156.008,15, tendo o contrato sido assinado nesta terça-feira, 09/11.

    ATUALIZAÇÃO EM 31/01/2022

    O Diário Oficial de 31/01/2022 publicou o Acórdão nº 63/2022 do Tribunal de Contas da União (TCU) que, respondendo a “pedido de adoção de medida cautelar, apresentada por In Press Oficina Assessoria de Comunicação Ltda., em razão de possíveis irregularidades na Concorrência 2/2021” — e que havia causado a suspensão da contratação da In.Pacto — determinou que, em síntese, a agência poderá continuar prestando o serviço de comunicação corporativa ao órgão. No entanto, a Funpresp estará impedida de renovar com a In.Pacto para o próximo ano.

    Pelo acórdão, definido em sessão telepresencial de 19/01/2022, em 2023, a Funpresp precisará realizar nova licitação.  Isto se, antes, a Funpresp não entrar com recurso contra a decisão e o TCU mudar de opinião.

    Em conversa com a Janela, o CEO da In.Pacto, Klécio Santos, informou que a empresa não pensa, no momento, em recorrer do acórdão, focada apenas em prestar o serviço contratado.

    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADETupi FM e NovaBrasil FM
    PUBLICIDADE

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    *

    code

    seta