• Abradi vai defender no STF o direito ao monitoramento digital

    Ministra Cármen Lúcia - STF

    O voto da ministra Cármen Lúcia no Supremo Tribunal Federal (STF) pela proibição do governo de monitorar as redes sociais foi visto com preocupação pela Associação Brasileira dos Agentes Digitais (Abradi). A entidade, conta Carol Morales, sua presidente, irá iniciar um trabalho junto ao colegiado do STF para buscar reverter uma possível tendência de o órgão seguir pelo mesmo caminho ao responder a demanda feita pelo Partido Verde (PV).

    “Parte da inteligência do trabalho que faz uma agência digital será perdida se a gente deixar de fazer o monitoramento”, afirmou Morales em conversa com a Janela, garantindo que “se o serviço for utilizado de maneira técnica e correta, ninguém será perseguido por isso”.

    Em seu voto, no último dia 04/02, Cármen Lúcia se manifestou a favor de proibir a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) de produzir relatórios de monitoramento sobre atividades de parlamentares e jornalistas em redes sociais.

    Além de começar a buscar outras entidades para reforçarem a defesa da atividade, a Abradi está preparando um manifesto em que esclarece que o monitoramento de redes sociais e sites é um trabalho diário para agências de comunicação digital no acompanhamento das repercussões de campanhas e pautas.

    Na defesa, a Abradi ressalta que tanto isso é importante para os órgãos públicos, que no edital padrão para Concorrências Públicas de Comunicação Digital, publicado pela Secretaria Especial de Comunicação do Ministério das Comunicações em 2019, o produto “Monitoramento de Redes Sociais e Sites” está entre os itens do que deve ser prestado.

    Para Carol Morales, “há um equivoco no entendimento da Carmen Lúcia. Trabalhos técnicos necessários para o dia a dia da operação de uma agência de comunicação digital não podem ser politizados ou até utilizados como ferramenta de perseguição”.

    (Foto de Cármen Lúcia por Nelson Jr./STF)

    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADETupi FM e NovaBrasil FM

    Marcio Ehrlich

    Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.

    Envie um Comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    *

    code

    seta