Janela Publicitária    
 
  Publicada desde 15/07/1977.
Na Web desde 12/07/1996.
 

Janela Publicitária - Edição de 20/MAI/2005
Marcio Ehrlich

 

Concorrência de Niterói causa nova polêmica

A Prefeitura de Niterói, que em 2003 já havia recebido críticas do mercado pelos termos de sua concorrência publicitária, volta a ser alvo de protestos do setor. Em nova licitação, a área de comunicação da antiga capital fluminense chega à extravagância de oferecer 10 pontos para as agências que garantirem disponibilizar os serviços de um profissional de atendimento "por 24 horas durante toda a semana, inclusive sábados, domingos e feriados", período de trabalho que supera até o dos tempos da escravatura, cuja abolição completa hoje 118 anos.
Segundo informações recebidas pela Janela, o Sindicato das Agências do Rio já enviou correspondência solicitando alterações nos termos da disputa, que terá que ser realizada com a apresentação pelas agências de sugestões de comunicação sem que a Prefeitura tivesse passado um briefing com os problemas a ser solucionados.
Analistas do mercado consultados pela Janela supõem que os executivos do governo de Niterói considerem o briefing desnecessário já que as agências obrigatoriamente terão que comprovar experiência em contas de governo. Apenas receberão pontuação máxima aquelas que apresentem peças, tanto impressas quanto eletrônicas, produzidas para três diferentes clientes do setor público. Igualmente, o coordenador da conta terá que apresentar a passagem de três órgãos públicos por sua carteira, para ganhar a maior pontuação.
Espera-se que até o final da próxima semana a Prefeitura de Niterói esclareça o mercado sobre as suas dúvidas.

Coincidência ou Referência?

Os anúncios da Altoids e da UniSuamA Janela recebeu o seguinte e-mail do leitor Altair Paulino:

"Caro Marcio,
Vamos a mais um caso de "Coincidência Criativa". Navegando em alguns sites de propaganda encontrei essa campanha da Rio Ka, para a UniSuam.
Qual não foi o meu susto ao perceber que ela era bem parecida com uma outra, premiada com o Bronze no The One Show volume 25, e publicada na Archive, da famosa marca Altoids, que sempre faz campanhas legais e tem vários leões em Cannes.
Legal essa agências que colocam na rua campanhas pré-testadas no exterior. Mas será que isso vale, só por que não saiu no Brasil?!
O que será que seus leitores têm a dizer sobre isso?
Forte abraço,
Altair Paulino
(Estudante de comunicação da PUC-RS)

N.R.: Altair, claro que não houve apenas "coincidência" aqui, mas também não considero chupada porque as idéias não são semelhantes. O que me parece ter acontecido foi um abuso das fotos de referências, levadas mais do que ao pé-da-letra pelo fotógrafo da campanha nacional.
A situação não é novidade em propaganda. Os leitores quarentões da Janela vão lembrar que há mais de 25 anos apontamos uma situação semelhante de um anúncio da SGB para a Consultan em que um excelente diretor de arte carioca usou uma foto estourada de uma Montblanc exatamente igual a de um anúncio americano.
Folhear anuário demais dá nisso.
A situação agora está pior por causa do computador (não "por culpa", que o computador não tem culpa de nada). A agência apresenta o anúncio parecendo "finalizado" com a foto de referência para o cliente, ele aprova e espera que o trabalho produzido seja igual.
Aliás, nem isso é novidade. Os mesmos leitores quarentões hão de lembrar do (hoje falecido) Major Alírio Góes, gerente de propaganda da Skol e cliente da Ogilvy, que chegava a recusar arte-finais em que o figurino dos modelos fotografados não tinha as mesmas cores do layout marcado pelo ilustrador (antes do computador era assim, desenhava-se para apresentar os anúncios). "Eu aprovei o anúncio com camisa azul e como vocês mudaram, eu não pago", dizia o simpático cliente.
O que os leitores têm que dizer é: como é que se sai dessa cilada?

"Teste n.1", da Quê/NextQuê|Next cria para Prêmio Colunistas

É da Quê|Next a campanha para divulgar o Prêmio Colunistas 2005, que já está na sua 38ª edição. De forma bem humorada, a campanha mostra que o Colunistas é mais que um prêmio, é um selo de qualidade da propaganda brasileira. A campanha conta com cinco peças, e em cada uma delas um jurado da ABRACOMP-Associação Brasileira dos Colunistas de Marketing e Publicidade testa os anúncios. Marcio Ehrlich -- que participa do júri do Colunistas desde 1978 -- é o primeiro deles, testando o anúncio para saber se ele “é desse mundo ou oriundo do além”. Na sequência, virão as peças com Jomar Pereira da Silva, Armando Ferrentini, Adonis Alonso e Marcello Queiroz. Em todas, o leitor é incentivado a se inscrever no Colunistas, com o desafio: "Vamos ver se o seu anúncio merece este selo".
A criação é do diretor de arte Rodrigo Ribeiro e do redator Sleyman Khodor, com Direção de Criação de Ercílio Tranjan. O responsável pelo atendimento foi Ronaldo Conde. As fotos dos jurados cariocas foram clicadas por Mauro Risch e as dos paulistas por Marcio Scavone.

Alfa rompe a barreira do plotter

Evando Abreu e seu carpete plotadoDo tapete à chapa de aço, passando pela fórmica e pelo vidro, qualquer superfície agora pode receber imagens plotadas. A novidade foi apresentada esta quinta-feira ao mercado carioca pelo Estúdio Alfa, que já está operando a primeira plotter de grandes dimensões Press VU, da Vutek, a chegar ao Brasil.
O resultado é impressionante e abre novas perspectivas para quem trabalha na área promocional -- e também em arquitetura e decoração. Segundo o diretor do Alfa, Evando Abreu (na foto com um carpete plotado), a Press VU não só é capaz de imprimir em resoluções de até 600 dpi sobre qualquer superfície como permite espessuras de até 4 cm. A largura do material pode chegar a 2m, mas não há limite de extensão.
Outra curiosidade do equipamento é poder imprimir simultaneamente em 6 cores. A plotter usa as cores Light Cyan e Light Magenta para um ajuste mais realista das tonalidades de pele, explica Abreu.

Como era verde o meu anúncio...

A assessora de imprensa da Agência3, Lívia Queiroz, enviou para a Janela esta mensagem, apontando uma eventual coincidência entre um trabalho recente da VS com um da Agência3:

"Marcio, tudo bem?
Achei interessante, como assessora de imprensa da Agência3, enviar essa nota para sua avaliação. Veja o que achas quanto ao questionamento.
Os anúncios da Agência 3 e da VSCoincidência criativa ou reproduzida?
Foi publicado sábado no Morar Bem, pela VS, um anúncio para o lançamento de um empreendimento imobiliário, com conceito e características similares aos da campanha criada pela Agência3 em outubro passado, veiculada no Globo Serra, e premiada no Galo de Ouro no Festival Mundial de Publicidade em Gramado, Ouro no 23º Prêmio Colunistas Rio, Lâmpada de Bronze no Festival da ABP - Associação Brasileira de Propaganda, entre outros. Referência criativa, ou não, a Agência3 acredita na capacidade dos profissionais da VS, e aposta que a campanha não passa de uma mera coincidência.
Abs,
Lívia Queiroz
Impressão Um Assessoria
[email protected]"

N.R.: Concordo sobre a capacidade da turma da VS, mas não há como negar que, tendo participado de tantas premiações, a peça deva ter ficado no subconsciente de muita gente.
Dessas roubadas ninguém está livre. Se a mente humana fosse totalmente confiável, os psicanalistas morreriam de fome.

Muito além do jardim

Houve um tempo em que os próprios diretores das agências pegavam o telefone e se comunicavam com as colunas de publicidade. Mas como hoje em dia nem só políticos e artistas são chiques e ocupados com assuntos de grande importância, assessorias de imprensa são contratadas para falar também pelos publicitários.
Assim sendo, segue abaixo a resposta da assessoria de imprensa da VS ao comentário da assessoria de imprensa da Agência3 sobre a polêmica da plantação de verde nos anúncios imobiliários.

"Caro Marcio,
Encaminho a seguir a resposta da VS sobre o comentário da Agência3 em nota publicada no site.
Grande abraço,
Adriana Vallim
JLS Comunicação & Associados
Tel. (21) 2533 2532 r. 214
www.jls-associados.com.br

VS se posiciona
Não sabíamos que sobre o verde havia direito autoral. Sobre as idéias sim. E nestes 21 anos de existência, atendendo aos maiores clientes do Rio e do Brasil, a gente aprendeu o que é propaganda original e criativa . E sabemos muito bem diferenciar o que é criado e o que é copiado. O fogo das vaidades atingiu a floresta.
Assessoria de imprensa VS Propaganda"

N.R.: A resposta refere-se à nota "Como era verde o meu anúncio".

Como era verde... (Falam os leitores - 1)

Do leitor Mario Lobo:
"Sou estudante de comunicação, mas sei que a realidade das faculdades é muito distante do mercado de trabalho, por isso tento acompanhar a propaganda pelos sites especializados.
Nos últimos tempos, tenho notado que são cada vez mais frequentes acusações de plágio entre as agências. Algumas delas têm realmente algum fundamento, embora não veja onde a agência que teve seu trabalho copiado possa sair prejudicada. Pelo contrário, só é digno de cópia quem tem algum valor. Mas como tudo que vira moda, alguma hora passa do ponto nas mãos de alguém de muito mau gosto e pouco bom senso.
Ontem a Agência3 publicou uma nota na Internet que virou assunto na sala de aula mais tarde. Acusava a VS de plágio num anúncio imobiliário. A questão foi levantada pelo professor, e a turma foi quase unânime em dizer que os anúncio tinham idéias diferentes, e a acusacão era vazia. O fato é que ambas as peças utilizavam fotos de plantas sobrepostas no anúncio. Apesar disso, tinham conceitos completamente diferentes, e diga-se de passagem, o anúncio da VS era bem melhor.
Nessa estória toda, o que me preocupa é o seguinte: se já não bastasse a dificuldade que enfrentamos para entrar nesse mercado tão disputado, será que depois ainda vamos ter que suportar o canibalismo dos colegas de outras agências?"

Coincidência ou referência (Falam os Leitores - 1)

Kit da Rio KaDe Kaká Alvarez, diretor da Rio Ka:

"Olá Márcio,
Tenho acompanhado toda essa discussão de "coincidência versus plágio" no Janela, até mesmo porque uma campanha da Rio Ka também foi citada como possível plágio - coisa que garanto não ocorreu.

Sinceramente é díficil acreditar em coincidências quando estamos "de fora" do processo. Com certeza, todo e qualquer estudante que se preze e queira estar "antenado" com o mercado, vai sempre futucar dali, futucar daqui e encontrar alguma-coisa-parecida-numa-Archive-da-vida.

Eu mesmo já fui estudante e já fiz isso. Mas, quando se está no mercado, com tantas pessoas talentosas e criativas, descobrimos que coincidências existem sim, por mais que pareçam um absurdo. Ou será que ninguém lembra do filme parecidíssimo com o "Wilson anda para trás" (Lew Lara) que apareceu nos últimos festivais internacionais (apesar de apenas 30 anos, me desculpe a falha na memória... por isso vou chutar que isso rolou na última edição de Cannes, não foi? Onde ambas as agências disseram terem tido a idéia com base em um filme curta metragem alternativo... ou sei lá o que...)?

Enfim, por mais que tudo mundo esteja "seco" para acusar alguém de plágio, vamos ter muita calma nessa hora... afinal, onde é que já se viu profissionais de qualidade como a galera da VS e da Agência3 ficarem plaginado folhas verdes sobre classificados. Isso não existe... nossa publicidade carioca não precisa disso... Coicidências existem sim, e vão continuar a existir no meio de tantos talentos como os que temos por aqui.

• Em tempo: acredite quem quiser... há uns 3 meses atrás distribuímos um portfolio da Rio Ka que trazia, além de um apanhado dos últimos 5 anos da agência, um conceito criativo bem legal... "a Rio Ka não dorme pq está sempre trabalhando por seus clientes". O portfolio foi distribuido numa caixa, com um travesseiro, um tapa-olhos daqueles de dormir, um livro para facilitar o sono, etc... e agora, vem o CCSP e lança o anuário deles na mesma linha... e aí? Alguém acha que o CCSP iria "plagiar" uma agência pequena como a nossa... totalmente desconhecida? Claro que não é plágio... vamos dar um desconto, né gente!

Um abraço!
Kaká Alvarez"

N.R.: Leia a nota original: Coincidência ou Referência

REFORÇOS DO MERCADO

100%Propaganda (Rio-RJ) - Na criação chega o Diretor de Arte Moises Figueira, vindo da Script. No atendimento, a agência conta agora com mais duas novas contratadas, Daniela Escudero (ex-About) e Flavia Week. Carlos Duna foi promovido a coordenador da área. Na mídia, Daniela Ricotta é a nova contratada e Leonardo Pomponet foi promovido. Os dois fazem parte do time da supervisora Christiane Jordão. (18/05/2005)

Republika Filmes (São Paulo - SP) - Amplia o atendimento com a chegada de Mário Peixoto, ex-MovieArt que assume a produção excecutiva e Doca Sander, ex-O2 Filmes. Em seu segundo ano de vida, a produtora de Carlos Manga Junior está em conversações com novos diretores para completar o casting da casa, que conta também com Gustavo Leme. (18/05/2005)

Rodrigo LomelinoVS (Rio-RJ) - O redator Danilo Maia, vencedor de vários prêmios na última edição do Anuário do Clube de Criação do Rio de Janeiro, acaba de ser efetivado na VS. O publicitário vai fazer dupla com o diretor de arte Gustavo Toscano. Outra contratação de peso foi a do diretor de arte Rodrigo Lomelino (foto). Com passagens pela Staff, Duda, Ogilvy e pela própria VS, ele volta à casa para fazer dupla com o redator Duda Salles. Os novos nomes da equipe vão atender clientes como Eletrobrás, ALERJ, Premiére Esportes, Sexy Hot, entre outros. (18/05/2005)

MPM (São Paulo - SP) - Anelito Nóbrega, mais conhecido no mercado como "Mosca", assumiu a direção de produção gráfica da agência. Mosca trabalhou por sete anos na DM9DDB e, anteriormente, por outros 17 anos na DPZ. Depois de algum tempo em estúdio próprio, o produtor retorna à uma agência de propaganda. Ao todo sete profissionais estarão sob o seu comando. (17/05/2005)

Ronson (Rio-RJ) - Depois de um tempo fora do mercado para se dedicar à carreira acadêmica, o diretor de arte José Mauro Amorelli retorna à equipe de Fábio Barreto na Ronson. (10/05/2005)

Agência3 (Rio-RJ) - Os diretores de arte Ana Petrúcio (ex-Artplan e Contemporânea) e Glazione Rocha são os novos contratados da agência. Ana entra no núcleo de criação imobiliário e Glazione, que era estagiário, foi efetivado. A Agência3, aliás, teve um grande reforço recentemente com a contratação, para ser supervisor de criação, do diretor de arte Marcelo Lobo, que estava na Script. (09/05/2005)