Cultura Inglesa decide rever sua concorrência

Cultura Inglesa Tijuca - Aqui você vive inglês

A Cultura Inglesa não irá mais convidar novas agências para sua concorrência. A informação foi oficializada à Janela por sua assessoria de comunicação.

Como revelado pela Janela, a Cultura havia convidado várias agências do Rio, dando um prazo curto para que apresentassem propostas, mas, sem maiores explicações às concorrentes, não selecionou nenhuma e iniciou convites a outras empresas do mercado.

Na época, inclusive, em nota à nossa redação, a assessoria da Cultura explicou que “não tendo sido alcançado o número mínimo de agências finalistas que atenderam aos critérios esperados, a empresa realizou nova chamada.”

Na terça, 01/09, também, o presidente do Sindicato das Agências do Rio, Rodrigo Amado, chegou a encaminhar carta à Cultura Inglesa protestando pelo desenrolar da concorrência para escolha de agência de publicidade promovida pela empresa.

Pedindo transparência e respeito ao trabalho das agências que já se apresentaram, o presidente do Sinapro-RJ solicitou à Cultura que revisasse seu processo de seleção, recomendando, inclusive, à empresa, que se informasse sobre o texto do Conselho Executivo das Normas-Padrão (CENP) sobre as Melhores Práticas para Concorrências Privadas (veja abaixo a carta do Sinapro-RJ).

A assessoria do curso, no entanto, informa que a comunicação não chegou até o momento.

LEIA TAMBÉM NA JANELA:

Cultura Inglesa faz concorrência sob críticas do mercado (em 28/08/2020)

PUBLICIDADE
[adrotate group=”1″]


SINDICATO DAS AGÊNCIAS DE PROPAGANDA DO RIO DE JANEIRO – SINAPRO

Rio de Janeiro, 01 de setembro de 2020

À
Direção do curso de inglês Cultura Inglesa
Rio de Janeiro – RJ

Prezados Senhores,

Por solicitação de Agências associadas e no cumprimento de dispositivos legais de sua constituição, o Sindicato das Agências de Propaganda do Estado do Rio de Janeiro, vem, pelo presente, expor e sugerir o que se segue:

1. Temos conhecimento de que a Cultura Inglesa está em fase de seleção de Agência de Publicidade realizando, por convite, seleção, da qual participam 10 empresas, todas com comprovada atuação no Estado do Rio, o que, efetivamente, favorece a prestação dos serviços, por conhecimento das particularidades mercadológicas regionais;

2. A seleção, o que é um direito do cliente, adotou critérios não convencionados pelo mercado brasileiro, não detalhando, por exemplo, as especificidades do que estaria sendo julgado, incluindo do entendimento do briefing à apresentação de peças especulativas, ou até mesmo a duração em tempo do que pretendia ser contatado;

3. Mesmo sem os critérios objetivos e definidos previamente, houve dispensa de Agências após a fase inicial da seleção e manutenção de outras numa segunda fase, o que, para surpresa das Agências remanescentes, com mudança das regras iniciais, deverá ocorrer com o convite a outras Agências, agora de outros Estados e nem todas com experiência no atendimento ao mercado fluminense;

4. Há, inegavelmente, razões para a insatisfação das Agências dispensadas do certame sem que lhes fossem expostas as razões e das que permaneceram e que serão testadas junto a outras não submetidas à primeira fase do certame;

5. Há no país regras para as seleções por agentes públicos, com normas fixadas em lei, e, no caso de agentes privados, normas de autorregulamentação estabelecidas pelo Conselho Executivo das Normas-Padrão – CENP, documento baixado depois de estudos realizados em conjunto por representantes com expertise na matérias e atuando em nome de entidades nacionais de Veículos, Agências e Anunciantes, neste caso, a ABA – Associação Brasileira de Anunciantes.

6. Tomamos a liberdade de indicar as Recomendações de Melhores Práticas para Concorrências Privadas do CENP, que podem ser baixadas no endereço:

https://cenp.com.br/documento/melhores-praticas-concorrencias-privadas

Finalmente, pelas razões expostas, pedimos que seja revisto o processo de seleção em andamento, assegurando a todas às participantes – inclusive as dispensadas – com transparência e respeito ao trabalho que desenvolvem, um julgamento isento e criterioso até mesmo no que diz respeito a peças criadas para o certame, obras sob proteção da legislação de direitos autorais.

Certos da atenção da Cultura Inglesa,

Rodrigo Amado
Presidente

Marcio Ehrlich

Marcio Ehrlich

Jornalista, publicitário e ator eventual. Escreve sobre publicidade desde 15 de julho de 1977, com passagens por jornais, revistas, rádios e tvs como Tribuna da Imprensa, O Globo, Última Hora, Jornal do Commercio, Monitor Mercantil, Rádio JB, TV S e TV E.

Envie um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seta